>

1 de dez de 2017

[Poesia] PEDRO LUSO – As Rosas Vermelhas





AS ROSAS VERMELHAS
PEDRO LUSO DE CARVALHO



Queria o homem esquecer a mulher,
mais que a mulher, esquecer a traição.
Refugiou-se o homem no seu jardim,
junto às roseiras, com suas penas.

Com ardor, às roseiras dedicou-se,
amor e alma, seu único horizonte.
Fez o seu mundo de perfume e cor,
paraíso de rosas e roseiras.

Dizem que perfume e viço das rosas
deviam-se só ao sangue do homem
doação de amor, sua recompensa
às rosas vermelhas do roseiral.

O que diziam, a pura verdade:
a fosforescência do roseiral,
mistério das rosas no breu da noite,
planeta de sonhos do jardineiro.

Numa dessas tardes frias de inverno,
encontraram o corpo entre as roseiras.
Sem vida o homem, naquele roseiral,
tinha presas nas mãos rosas vermelhas.




*   *   *




48 comentários:

  1. Um poema impressionante pela mensagem de dor que contém.
    Muito belo e pleno de sentimento.
    A dor provocada pela traição é tremenda e imensurável.

    Parabéns, amigo Pedro, por ter escrito tão lindo poema.

    Um abraço amigo.

    Janita

    ResponderExcluir
  2. É um poema bonito, que me faz lembrar de "O rouxinol e a rosa".
    Pedro: Receba minha admiração através de um abraço.

    ResponderExcluir

  3. Poesia linda,Pedro... Deu pra imaginar o homem com cara de paisagem e santinho ali...Bem feito pra ele,rs...Muitos espinhos merecia!!! abração, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  4. Bom dia. Poema maravilhoso, profundo cheio de sentimento. Adorei.

    Hoje, um miniconto { Saudade, da nossa dança... }
    Bjos
    Um Sábado muito feliz.

    ResponderExcluir
  5. Um poema triste, dolorido, cheio de sofrimento. A traição é sempre muito dolorosa.
    Abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  6. Um poema lindo demais, apesar de melancolico.!!


    Beijo. Votos de um Sábado feliz.

    ResponderExcluir
  7. Gosto de poemas que exalam o perfume dos sentimentos.
    Este, impregnado de vida, é fascinante.

    Beijo, Pedro.

    ResponderExcluir
  8. Que lindo poema Pedro!
    Rosas vermelhas a eterna musa dos amantes enamorados.
    Adorei.
    Bjs,obrigada pela visita e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  9. Profundo poema. Hermosa melancolía.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  10. Que dor! Fez das rosas o seu suporte para levar a vida - enquanto a tinha -, o mais suportável possível. As rosas não traem!
    Extremamente lindo, mas bota tristeza nisso!
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  11. Rosas? porque não?
    Todas as flores se desfolham

    ResponderExcluir
  12. Poema praticamente sem rimas mas a verdade é que as rimas não são obrigatórias nos bons poemas. E este, é um bom poema

    .
    ( https://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/ )
    .
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Ricardo, as rimas são ótimos recursos para a poesia, mas pode ser dispensada. Aqui no Brasil sofremos a boa influência de Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade e de João Cabral de Melo Neto, que pouco se utilizavam do recurso das rimas. Outro dos nossos grandes poetas modernos foi Vinicius de Moraes (o poeta do amor), que tinha preferência pelo soneto rimado,
      Uso rimas, em meus poemas, caro Ricardo, mas com pouca frequência. Atenho-me mais no ritmo, na sonoridade e na divisão silábica do poema.
      Um abraço.
      Pedro

      Excluir
  13. E'sempre un piacere soffermarsi sui tuoi scritti poetici, ricchi di profondo significato
    Un saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  14. Bom dia, Pedro. Eu adorei o tema em poesia.
    Traição é algo muito difícil

    ResponderExcluir
  15. Percebe-se que o homem nunca conseguiu se perdoar.
    Cada qual procura a purificação da alma e do corpo de um modo, ele, foi através do cuidado com as flores, o mesmo que deveria devotar à sua amada.
    Certamente, a Lei do Retorno é implacável!
    Parabéns!
    Tenha um mês de extrema paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Patrícia.
      No que diz respeito à traição, de propósito deixei para quem ler o poema decidir quem traiu. Para mim, o homem é que foi traído pela mulher.
      Bom final de domingo.
      Um abraço.
      Pedro

      Excluir
  16. Olá Pedro!
    Triste mas belíssimo poema.
    É um gosto voltar a ler versos teus. Versos que emocionam e fazem pensar. Estes, de tão verdadeiros transportam o perfume das rosas vermelhas.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. O Novo Noivado do Sepulcro, caro Pedro?
    não conhecia na tua poesia esta vertente ultra-romântica

    mas o poema é excelente.
    gostei muito

    abraço

    ResponderExcluir
  18. Uma história de amor. Um roseiral cor de sangue. As rosas vermelhas na vertigem das mãos... Magnífico poema, meu Amigo Pedro!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. A dor o transformou num hábil jardim que dedicou a vida às belas roseiras que lhe fizeram companhia até o momento do gran finale
    Um poema lindo e de muita dor, beleza e cor caro amigo Pedro
    Um abraço e uma feliz semana

    ResponderExcluir
  20. Oi Pedro,
    Adoro suas poesias
    Rimadas ou não são lindas
    Abraços
    Lua Singular

    ResponderExcluir

  21. Oi Pedro!
    Bem pertinente essa frase que vi certa vez: "Afundei-me no incógnito para não ter qualquer responsabilidade". As pessoas se refugiam de si próprias, parece ser mais confortável do que viver a realidade. Será que ele conseguiu o esquecer o seu amor? Ou não teria ele morrido de amor?
    O autor Pedro Luso optou por esse final, e deixou o leitor martelando a cabeça rs.
    Boa tarde e fica com Deus meu querido, obrigada pelo carinho!

    ResponderExcluir
  22. Oi, Pedro...se é para sofrer de amor que seja na companhia de rosas vermelhas como um coração , pois afinal "as rosas não falam/ as rosas apenas exalam /
    o perfume que roubam de ti"... e também tenham espinhos;

    Um abraço

    ResponderExcluir
  23. Oi amigo, que lindo!
    Traição é algo terrível!!
    Tenha uma ótima semana, abraços!!

    ResponderExcluir
  24. Escribimos al ritmo de la estaciones... Un abrazo inmenso

    ResponderExcluir
  25. Ese hombre por su dolor, se unió
    a las rosas de su jardín. Una consustanciación
    trágicamente bella.

    Pedro, acabo de llegar a casa de un viaje de dos meses.

    Un gran abrazo.

    ResponderExcluir
  26. Oi Pedro!
    Parece que a culpa o matou.
    A traição o feriu mais que os espinhos das rosas.
    Achei lindo, muita dramaticidade o que
    imprimiu ao texto um "ar" de tango.
    Uma inspiração "daquelas" amigo, que como penso, são-nos ditadas.
    Abrçs

    ResponderExcluir
  27. Muito profundo em sentimentos, tristeza e dor, porém encantador pela beleza de lirismo que nos passa, amei.
    Beijos carinhosos e uma semana bem feliz!

    ResponderExcluir
  28. Olá ,que beleza esta linda, mas triste história do jardineiro traído pela mulher, nesta empolgante poesia.Sei cantar algumas musicas de Mauro Moraes,mas a minha" praia "mesmo é cantar musicas americanas..Meu grande abraço. SU

    ResponderExcluir
  29. Ola amigo Pedro linda poesia, a traição é dor que mata, e nem a beleza ou o perfume das rosas falaram mais alto, e ele morreu.
    Abração, Léah

    ResponderExcluir
  30. Pedro, lindo poema! Parabéns! Lembrei-me de Omar Kayan, quando diz que ele à orla de um bosque florido de rosas, ao lado da bem-amada, nenhum sultão seria mais feliz do que ele e nenhum mendigo mais triste. Porém se a bem-amada o abandonasse?... Então tira uma porção de conclusões coerentes. Realmente a perda amorosa dói mais que um punhal ao peito... Gostei do teu poema, amigo! Tudo de bom! Laerte.

    ResponderExcluir
  31. Oh Pedro, derramaste todo teu lirismo nestes versos de beleza rara com um profundo toque de tristeza e dor.Talvez melhor morrer que remoer a traição.

    Tenha um abençoado fim de tarde.
    Abraços agradecidos pela visita e gentis e apreciação aos meus versinhos.

    ResponderExcluir
  32. Adorei este seu poema, Pedro! E penso ter uma imagem perfeita, para ilustrar o mesmo, lá no meu canto...
    Andarei ainda meio intermitente pela Net, nas próximas semanas... mas nos primeiros dias de Janeiro, assim que der, destacarei este poema, se me der licença... com um link para aqui, evidentemente...
    Um grande abraço! Continuação de uma excelente semana!
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ana, pela visita e pelo amável comentário. Quanto a sua intenção de de dar destaque ao meu poema no seu blog, para mim será uma honra.
      Um abraço.
      Pedro

      Excluir
  33. Olvidar un amor es difícil, perdonar una traición, tiene que ser muy duro, siempre quedará una desconfianza en esa mujer que amas.
    El amor se puede comparar con las rosas, también tiene espinas y hace sangrar el corazón alguna vez.
    El poema es precioso pero el final muy triste, quizás buscó consuelo y refugio en su jardín de rosas.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  34. Empezando por la elección de la imagen, cómo el talento consigue descomponer unas figuras por medio de la geometría, su poema también disecciona el alma del amante jardinero.
    De amor también se muere.

    ResponderExcluir
  35. Profundo e belo.
    A dor da traição, nunca superada e sempre dilacerando o coração daquele pobre homem.
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  36. Rosa vermelha, paixão... há mulheres que jamais são esquecidas...
    Um poema bem romântico. Gostei muito, excelente.
    Continuação de boa semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  37. Como diz a Tais, " bota tristeza nisso ", Pedro. O poema é belo, mas muito triste, apesar das rosas vermelhas serem bonitas e perfumadas; não têm nada de triste. O desespero leva muita gente a suicidar-se, mas...por causa de uma mulher? Sei que acontecem muitos casos, por traição, por ciúme e por outro tipo de razões, mas... uma certeza eu tenho: não me mataria por homem nenhum!!!. Mesmo assim, tenho que te dar os parabéns pois estás-me a sair um grande poeta e independentemente da minha vontade de me suicidar ou não por uma traição,, o certo é que este homem se deixou morrer e escolheu um jardim lindo e perfumado pelas rosas vermelhas; boa escolha. Brincadeiras à parte, adorei, amigo. Um beijinho e um bom fim de semana. Amanhã é feriado em Portugal, pois é o dia de N. Sra da Conceição e antigamente era neste dia que se festejava o dia das mães. Até....
    Emilia

    ResponderExcluir
  38. Muito bom este trabalho poético de que gostei bastante amigo Pedro.
    Um bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  39. Lindo poetar amigo Pedro, inspirados versos, lindos e ao mesmo tempo tristes, traição é tudo de ruim, seja entre amores, amizades, enfim...
    As belas rosas foram fiéis, corresponderam as expectativas do jardineiro e foram as que lhe velaram o derradeiro momento!
    Bela forma de mostrar o quanto é devastadora a traição, acho que ninguém merece isso, cada qual deveria ter coragem de assumir que não dá mais para prosseguir com um relacionamento e nunca trair, nem posso imaginar isso sem sentir uma ponta de dor!
    Amei ler aqui!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir

  40. Preciosa poesía. El lenguaje de las rosas rojas llega al corazón. Besicos.

    ResponderExcluir
  41. Gosto de pensar que rosas vermelhas também são paixão.

    Beijo


    ResponderExcluir
  42. Boa tarde, Pedro, a traição sempre é algo terrível em qualquer situação ou relação.
    Penso que não há ser humano que trabalhe bem uma situação de infidelidade. Em seu poema, apesar de triste o seu personagem conseguiu uma maneira de "estar" feliz com suas rosas vermelhas, a cor da paixão que morreu com ele. Belíssimo poema! Abraço!

    ResponderExcluir
  43. Olá, Pedro.
    Este seu poema é um romance!
    Triste a sina de quem ama com um amor tão doado e sofre traição. Há de ser de enlouquecer. Melhor então, fugir. Mas a fuga não destrói a dor que se leva no coração, apesar de os velhos sábios nos garantirem que "longe dos olhos, longe do coração" rrrrrsss
    As rosas, seres vivos também!, souberam desfrutar e recompensar os cuidados recebidos.
    Ali, o homem amou e foi amado.
    Ali, deixou-se finar.

    * Pedro, a propósito do último comentário que deixou no lado do sol, devo lembrar-lhe que, apesar de ser portuguesa, por merecimento, que já são muitos anos em terras lusas, minha alma é e será, sempre, brasileira, porque, para além de aí ter nascido e me criado, é facto que o primeiro amor é o que fica para a vida - dizem os velhos sábios =)
    um grande abraço

    ResponderExcluir
  44. Bom dia Pedro.
    Acho a traição um tiro no amor, quando não mata o sentimento, deixa grandes marcas. Um belo poema onde um homem sofredor entrega as rosas a sua dedicação e amor e da adeus a vida segurando quem mais ajudou a suportar a dor..
    Abraços.

    ResponderExcluir
  45. Ah o amor, quando o desamor ultrapassa o sinal proibido e faz do ser um trapo humano.Uma construção de sentimento muito bonita para tamanha dor."O espinho da rosa feriu Zé o sorvete gelou seu coração".
    Muito bom Pedro.
    Abraços.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO