>

2 de jun de 2015

[Poesia] PEDRO LUSO – Mágoa





[ESPAÇO DA POESIA]


MÁGOA
– PEDRO LUSO DE CARVALHO


Agora podes ver mulher,
no que me transformei.
Não mais sou o que antes fui
há tanto tempo
com tanta vida à espera.
Meus olhos perderam horizontes.
Busco luz, sombra
é o que encontro. Nada
é perene. O tempo
mata o amor. Às duas
da madrugada,
também eu estarei morto.
 


*  *  *




7 comentários:

  1. Quando se está magoado, tudo parece sombrio.
    Um abraço, Élys.

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema! Triste... mas lindo!
    Gosto muito.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. O tempo mata muitas coisas, e salva outras.
    Bela poesia, boa tarde!

    ResponderExcluir
  4. Un bello poema, versos reflejan hondo sentimiento de amor dolido....el alma busca la luz en momentos que sólo ve sombras tan lejos del amor...
    Afectuoso abrazo

    ResponderExcluir
  5. O ser humano na eterna busca de si, por vezes encontra a paz, o equilíbrio, o verdadeiro sentido para sua vida. Outras não.
    Um tanto triste, mas belo poema!
    Beijinhos, da sala ao lado...

    ResponderExcluir
  6. Il tempo cambia tutte le situazioni, col suo incenssante trascorrere...
    Sempre bello leggerti, Pedro, buona settiamana e un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  7. UFFFFF, PROFUNDA TRISTEZA...!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO