>

30 de dez de 2011

[Crônica] TAÍS LUSO – Madrastas e enteadas


  
  

      [ESPAÇO DA CRÔNICA]



       MADRASTAS E ENTEADAS

  - Tais Luso de Carvalho


Coisa rara de se ver é um bom relacionamento entre madrastas e enteados. Não que ambos não queiram, mas porque é muito difícil. Porque existe uma mãe e um pai biológicos, e que nenhuma criança abre mão.
 Se entre parentes, que são sangue do mesmo sangue, já é difícil uma harmonia em tempo integral, fico a imaginar alguém ser obrigada a conviver com os filhos da outra, ou do outro. Na teoria parece que tudo será resolvido no novo lar, que haverá harmonia, carinho e compreensão. Mas não é o que acontece na prática. Na prática, é encrenca! É desafio.
 Quando tudo parece andar mais ou menos bem, o relacionamento degringola entre a mãe biológica, a madrasta e o ex-marido, ou seja, o pai dos anjinhos. E a festa de antes, já não parece mais tão alegre. Existe sempre por parte da ex-mulher um amor próprio ferido. Uma cicatriz que não fecha. Não importa quem saiu do relacionamento, mulher não perdoa.
 Não estou dizendo nada que não se saiba, o dito popular já inventou a dura palavra para uma das partes: (ma)drasta! É uma palavrinha chula e horrorosa. Significa inclemente, pouco carinhosa. Quem vai mudar isso se até Manuel Bandeira, num de seus belos poemas, chora dizendo que até a vida lhe é madrasta? Difícil, não?!
 E a palavra enteada? É horrível, é como se a pobre levasse um néon na testa mostrando que não é a filha do novo casal, e sim a intrometida, a sombra da 'ex' fiscalizando a vida do pai e levando histórias mal contadas para fora de casa. Leva e traz sentimentos feridos. Porém há exceções: deve haver muitas enteadas amadíssimas, e muitas madrastas diferenciadas, carinhosas.
 A enteadinha já tem na ponta da língua o que está em seu inconsciente: você não manda em mim, você não é minha mãe, é a intrusa; quem manda é o meu pai e a minha mãe!
 Isso enquanto é ainda criança; na adolescência o relacionamento já fica mais pesado. Mais funk! E depois da troca de amáveis palavras, o barraco pega fogo. O que prometia ser um relacionamento mais ou menos, ficou no menos. Mas cada caso é um caso. No geral é uma mixórdia nos sentimentos de todos. É difícil haver um certo equilíbrio nesse convívio nada natural. Nada é natural diante de uma família que não é a de origem.
 A madrasta, por si, não terá muita paciência com os enteados que já vêm de cabeça feita; que estão mais pra bagunçar, pra peitar a atual mulher do pai.
 A princípio, a madrasta entra numa relação cheia de amor pra dar, com o objetivo de conquistar a família, a empregada, o cachorro e tudo que circunda a vida do atual companheiro; esmera-se em quitutes, passeios e sorrisos. Mas, ao mesmo tempo passa a apitar e a mostrar quem manda no pedaço, afinal, a casa agora é dela. Pode dar certo? E se a enteada morar junto? Só muito equilíbrio e paz familiar para superar inúmeros problemas.
 A madrasta tem uma obsessão: reeducar a enteada. Por outro lado, a enteada acha que tudo o que vier da madrasta, será para o mal dela, para enticar.
 É uma das relações mais difíceis, pois envolve carências, frustrações, sentimento de traição, abandono, culpas, perdas e desamor de várias pessoas problemáticas, e na qual cada uma quer resolver o seu problema. Envolve uma família desfeita, que foi pro brejo, que infelizmente não deu certo. E, quando não dá, a separação talvez seja menos sofrida do que ver agressões entre os pais e as atitudes destemperadas certamente respingará na formação dos filhos.
 Ao meu ver, para tantos problemas entre madrastas e enteados só resta uma conversa franca e sem agressões no novo núcleo familiar ou terapia de apoio com um profissional da área. Cada caso é um caso.
 Talvez dê para apagar o fogo do barraco e salvar alguma coisa. Reconstruir algo melhor, uma convivência mais pacífica, deixar o coração falar. Deixar que a alma se vista de ternura, de tolerância, de compreensão e de amor, pois afinal, de que vale levar uma vida nessa amargura?
 Quando se ama, vale tentar. Acredito que o amor vença barreiras e vaidades. Essa luta não deixa de ser uma superação. Uma incrível superação!
                                                                     
                                                                               
     *




Tais Luso de Carvalho

Seus blogs:






 *  *  *



Nenhum comentário:

Postar um comentário

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO