>

23 de mai de 2016

[Conto] PEDRO LUSO – O velho ferroviário






O VELHO FERROVIÁRIO
– PEDRO LUSO DE CARVALHO


O velho ferroviário acorda antes que soe a campainha do velho relógio. Desliga-o para que a mulher continue dormindo. Ainda falta mais de hora para nascer o sol. Vai até a cozinha, já uniformizado, esquenta água e leite para a primeira refeição. Parte pela metade o pão que se encontra na gasta cesta de vime, sobre a mesa rústica.  Apressa-se para chegar no horário. Tem muito que fazer na estação, quando o trem cruzar a fronteira. Vem do Uruguai e segue para o centro do país. A mulher esgueira-se até a janela para ver o marido sair. Lá fora o vento minuano zune fortemente. Curva árvores e moitas. Logo uma nuvem de poeira tira-o de suas vistas.
É quase noite quando ouve barulho na porta. É o marido que retorna da estação. Há brilho nos seus olhos. Nos ouvidos, o som do apito do trem, que se espalha pelo pampa. A densa barba grisalha esconde a melancolia que traz no rosto. Deixa transparecer apenas o tímido sorriso. A mulher vê a mesma cena repetir-se desde o dia em que os trens deixaram de circular. Só não lembra mais quantos anos se passaram desde esse dia.
– Até onde o meu pobre velho levará essa maldita ilusão? – pergunta a mulher para si mesma, com voz cansada.




*  *  *




46 comentários:

  1. Que maravilha,Pedro! Tantos anos na mesma rotina, tantos anos cheios de obrigações...

    "Tirar" o barulho dos apitos dos trens dos ouvidos não é fácil... Na certa os levará até que embarque para a sua última viagem...LINDO! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Pedro Luso
    O conto representa um espírito contista, da velha tradição "short story", em que o final é sempre diferente do que o leitor espera.
    Como aprecio o género, posso dizer: imaginativo!
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Un relato muy bonito para contar una jornada que se repite todos los días a la misma hora de salida y de entrada.
    Al leerlo he sentido un poco de nostalgia, pero me ha gustado mucho.
    Preciosa la pintura de la estación.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  4. Un brano che mette in risalto l'andar del treno nel tempo, e il fare costante delle persone, con un pò di nostalgia....
    E' un piacree leggerti, Pedro, felice sera,silvia

    ResponderExcluir
  5. Me ha dejado el corazón encogido por la cantidad de matices de su relato con sorpresa final. Por todo lo que significa. Por el amor completo y sin fisuras de esa esposa que comprende la obsesión del marido ya mayor, que ha optado por cerrar los ojos a la realidad como protección contra el dolor. Salvaguardia contra la locura del hombre, ese pitido eterno que mientras lo acompañe mantendrá siempre vivo el brillo en sus ojos.

    Cuánta pena en cada uno de los pueblos que han perdido su línea de tren, y con él, su historia. Ha sido un placer leerlo.

    ResponderExcluir
  6. Um pequeno conto que consegue conter toda uma vida com suas dores e ilusões...muito bom.

    ResponderExcluir
  7. Gostei de conto do velho ferroviário,
    como era de verdade, antigamente,
    por isso escrevo este curto comentário
    desejando-lhe uma boa noite, e até sempre!

    ResponderExcluir
  8. E a terra é constantemente ferida pelo ser humano, esquecendo-se este de que a terra sempre vence; mais tarde ou mais cedo, ela se recupera, pois tem um poder de regeneração incrivel. O homem, esse sim, vai sucumbir e ser engolido pela terra que ele a todo o custo tenta destruir
    r. Mas não é só a terra que sofre nas mãos do homem, o próprio homem carrega dores provocadas pelo ser humano, pelo progresso, dores que muitas vezes o acompanharão até aquela altura em que a terra o cobrirá, numa despedida definitiva. Terra e homem, ligados para sempre, embora muitas vezes não entendamos isso; um e outro com sofrimentos causados pelo passar do tempo, pela insensatez do ser humano, pelo progresso e desenvolvimento das sociedades, progresso que não se soube usar com equilibrio e que , como todos sabemos, tem causado muita dor. Belo conto, Pedro. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  9. É o retrato de uma vida dedicada com afinco ao trabalho para no fim curtir somente as lembranças de um tempo em que ouvir o apito do trem era motivo salutar de felicidade. E levará em sua última viagem não a ilusão mas alegria que eternizou no coração. Belíssimo conto, Pedro
    Um abraço e boa semana

    ResponderExcluir
  10. O que era a vida sem ilusões????
    Um belo texto meu amigo que me deliciou.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderExcluir
  11. assim são os homens que morrem de pé - como algumas árvores.
    belo texto. adorei.

    forte abraço

    ResponderExcluir
  12. OI PEDRO!
    ME FIZESTE VIAJAR NESTE TREM DA SAUDADE, CRESCI EM SANTA MARIA, CENTRO FERROVIÁRIO DO ESTADO E MUITO CORRI, QUANDO EM CRIANÇA PARA VÊ-LO PASSAR. UMA PENA QUE TENHA SIDO EXTINTO POIS ALÉM DE UM TRANSPORTE BARATO, GERAVA MUITOS EMPREGOS, SAUDADES MESMO.
    MAS, NÃO POSSO SAIR SEM ELOGIAR TEU BELO E EMOCIONANTE TEXTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Belo conto meu amigo Pedro...
    Há coisas na nossa vida que viverão para todo o sempre...

    Bjo e uma ótima semana

    ResponderExcluir
  15. Quem sabe, o amor ao trabalho lhe deixou essas lembranças, hoje transformadas no seu principal alimento, razão da sua existência?

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  16. Meu caro Pedro,

    Que belo texto! Que bela condensação! E quanta delicadeza e poesia. Tirei o meu chapéu!
    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  17. Percibo rutina pero también amor por el trabajo.

    ResponderExcluir
  18. Pedro:adorei encontra o seu espaço...voltarei vezes mais..abraços meus.

    ResponderExcluir
  19. Hola Pedro, gracias por tu visita y comentario.
    Trabajar de sol a sol es el destino del ser humano.
    Mientras ese viaje en el tren de la vida dura del nacimiento a la muerte.
    Muy buen relato.
    Un abrazo.
    Ambar

    ResponderExcluir
  20. Hay que reconocer que los humanos somos animales de costumbres.
    Al viejo ferroviario ya no le hacía ni falta poner el despertador todas las mañanas para levantarse, antes de que sonase ya estaba despierto.
    Y sin poder remediarlo, seguía con la misma rutina de tantos años atrás ¡lo que nos cuesta cambiar!
    Te lo digo por experiencia.
    Me ha encantado tu relato.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  21. gracias amigo ...esta leyenda me ha recordado amigos ferroviario maquinistas del ferrocarril eléctrico...
    gracias por tu visita
    abrazos

    ResponderExcluir
  22. Excelente o seu conto, uma bela e triste história,
    mas "trilhada" na delicadeza do amor!...

    A pintura é belíssima e perfeita na ilustração para o conto.
    Parabéns, Pedro!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  23. Meu caro dr Pedro, comovente, belo, triste, muito bem escrito, perfeito, e pensar que as ferrovias que fizeram parte de minha vida quando pequeno, da minha família que viajava de trem, e hoje as estação são fantasmas que alguns trilhos de ferroo perdidos no meio dos arbustos que crescem sem cerimônia. Existe muita saudade, muita vida desfeita, muitos sonhos destruídos. E mesmo assim sua escrita sai leve, livre, como se saísse de uma estação e chegasse na outra, como se a vida continuasse, e não se precisaria fazer a pergunta que serve como um ponto final, até quando nos iludiremos ?
    Dr Pedro acho que estava esperando um texto assim, fazer uma leitura como a que acabei de fazer lendo aqui. Só posso agradece-lo este belo, melancólico e humano conto que me contas.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  24. La routine ed il vivere quotidiano facendo quel lavoro, ha fatto affezionare quell'uomo all'unica vita che ha vissuto ed al pensiero di doverla lasciare per andare in pensione, lo rattrista molto, gli sconvolge l'anima. Un bel racconto che mette in evidenza la varia natura dell'essere umano, complimenti Pedro. Un caro saluto Grazia

    ResponderExcluir
  25. Um texto que é uma verdadeira obra poética. Saudades de tempos vividos ...
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  26. Caro amigo Pedro, interessante vosso conto. Pois eu vi algo análogo na vida real.
    Nos anos 70, a Ceee tinha alguns escritórios na Rua Santana, ali no bairro do mesmo nome, e um dos funcionários lotado naquele local já havia passado do tempo da aposentadoria e teimava em continuar trabalhando. A muito custo convenceram a criatura a parar de trabalhar. O velhinho concordou, mas com uma ressalva: exigia uma mesa e uma máquina de escrever para brincar de trabalhar quando sentisse saudade da repartição. Pedido atendido, o homem aposentou-se, mas durante alguns anos, praticamente todas as tardes o cidadão ainda foi visto fazendo barulho numa velha Remington não elétrica.
    Um abraço. Tenhas um ótimo feriadão.

    ResponderExcluir
  27. Me ha gustado tu recreación de ese ferrocarril antiguo que casi todos hemos conocido. Y la hermosa historia de amor que va unido a el.
    Un abrazo amigo

    ResponderExcluir
  28. Una hermosa entrada que habla de la vida dura, y el trabajo sin fin, dicen que así debe ser, pero yo discrepo de lo poco que a veces la vida te da a cambio de tu vivir mísero y sin alegrías, o muy pocas. Una imagen de un ayer que siempre perdura en los ojos que quieren seguir viendo y sintiendo en otra época. Un saludo, gracias por visitarme en mi blog.

    ResponderExcluir
  29. Não estava à espera desse final, extraordinário!!!
    Não é fácil quebrar velhos hábitos, principalmente aqueles que nos deixavam felizes.
    Um grande abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  30. Me encantan los trenes porque siempre tienen un destino. Es la vida en movimiento. Como la del personaje de tu relato, que ha hecho de la rutina diaria su modo de vida ligado a unas costumbres que le ataran hasta el final.

    ResponderExcluir
  31. PERO AL FINAL FUE AMOR ETERNO.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  32. É Pedro,
    Eu trabalhei muito até as dores chegarem. Nunca mais voltei, mas da uma pontinha de saudade.
    Até quando/ Até a morte.
    Beijos
    Lua singular

    ResponderExcluir
  33. Me ha gustado mucho , muy bello relato.
    Felicitaciones Pedro
    Abrazos

    ResponderExcluir
  34. Bellisimo relato.
    Besos

    ResponderExcluir
  35. Un fin que no esperaba Pedro, muy bello post.
    tengo problemas en mi blog de Rodar y Volar, no se actualiza.
    AHora estoy editando en esto otro blog.
    https://factoriapoetica.blogspot.com.es/
    Por si te apetece entrar cuando puedas.
    Un fuerte abrazo Pedro.
    Feliz viernes

    ResponderExcluir
  36. Me llevo tu blog al nuevo para no perderme ninguna entrada.
    Un abrazo Pedro.

    ResponderExcluir
  37. Me colocando no lugar da mulher do ferroviário... todos os dias vendo a mesma cena, a mesma ilusão, a mesma saudade dele e não conseguir fazer nada para suavizar a dor do companheiro. Mas é esse o curso da vida.
    Bela história, num conto pequeno passaste grande história de vida.
    Beijinho daqui do lado!

    ResponderExcluir
  38. Boa tarde, Pedro, seu conto nos leva a relembrar os bons tempos, quando o trem nos avisava a hora, nos avisava que era hora de levantar para ir à escola. O velho ferroviário, com certeza, precisava ficar mais um tempo a fazer o que mais gostava na vida, seu trabalho. Quando me aposentei, diversas vezes, inconscientemente, quando precisava dirigir até o centro da cidade, sem perceber estacionava em frente ao colégio, onde eu trabalhei por anos. Seu conto nos deixa com o gostinho de quero mais.Excelente!Abraços!

    ResponderExcluir
  39. Caro amigo quando a pessoa se dedica com amor ao trabalho que fez durante longo tempo de sua vida, se desapegar da rotina, deixar de se sentir útil é sempre muito difícil e doloroso até para quem está vendo a situação se desenrolar sem nada poder fazer.
    É uma bela história bem realista, Amei lê-la.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  40. Muy lindo tu relato. Gracias y un beso.

    ResponderExcluir
  41. Hola Pedro.Obrigada por su visita a mi blog.Me ha encantado esta historia y la pintura bellísima.
    Um abraço desde Valencia, Montserrat

    ResponderExcluir
  42. Gracias Pedro por incorporarte a los seguidores de mi blog. Hago lo propio con el tuyo, digno de verse. Abrazo desde Chile.

    ResponderExcluir
  43. Sempre esta a nos surpreender com suas cronicas poeticas...
    Deixo-te meu amigo um forte abraço... Espero-te em uanderesuascronicas.

    ResponderExcluir
  44. Um conto cheio de sensibilidade. Há pessoas assim. Recusam aceitar que a vida os dispensa... Parabéns.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  45. Pedro quando vi o titulo e a bela imagem, já me veio as lembranças de meus trens, que apitaram na minha infância, que brilhavam nos meus olhos de menino encantado contando vagões nas pontas dos dedos e sonhando viajar neste trem para ver o mar de Vitória.
    Historia que se realiza creio eu em muitos lugares, plataformas espalhadas por este país. O trem tem historia e fez historia na vida de muita gente, que incorporou o dia na vida e depois viu tudo parar, o apito calar.
    Aplausos amigo, uma maravilha de criatividade/inspiração.
    Um abração.

    ResponderExcluir
  46. Un placer leer sus poéticas narraciones. Y más en su bello idioma, que me resulta encantador y emotivo.
    Gracias por participar en mi blog. Con mucho gusto hago lo mismo y agradecida de que un alma poética con ta bella pluma, me dedique su tiempo y palabras.
    Saludos desde mi orilla mediterránea.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO