>

21 de jul de 2015

[Poesia] PEDRO LUSO – A Mulher e o Tempo



              [ESPAÇO DA POESIA]

  A MULHER E O TEMPO
  – PEDRO LUSO DE CARVALHO

Não me esqueci. Foi em Uruguaiana,
numa fazenda, há muitos anos;
a mulher chorava, na despedida,
e o homem, convicto, prometia voltar.

Sabia, a mulher, de sua coragem;
aceitava os açoites dos dias
para manter viva a esperança –
teria quentes os braços para o homem.

Anotava, a mulher, os dias de ausência,
os anos, também foram anotados;
tudo foi escrito, com letras miúdas,
nas margens de um velho livro.  

Foi num dia de vento forte, no solitário
quarto, que pressentiu, a mulher, o engodo;
depois desse dia, não mais fez anotações –
não mais importava o tempo, que passava.

Nas secas mãos, no rosto da mulher,
indeléveis as marcas cruéis do tempo –
da longa espera, o aniquilamento:
secou, o homem, na memória da mulher.


*  *  * 

  

26 comentários:

  1. Muy bueno.

    Muchos besos

    ResponderExcluir
  2. Espera que y el tiempo marcará el momento, tan solo esperar.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  3. Nossa Pedro,
    Que maravilhosa poesia.
    Temos que viver os momentos do agora.
    Beijos
    Dorli

    ResponderExcluir
  4. Boa noite Pedro.
    Que emocionante poesia, acho que hoje estou bem sensível, li o seu poema e me vi imaginando a pobre mulher passando os seus anos a espera do seu grande amor para depois perceber que perdeu a sua vida por alguém que não a merecia e fui lendo e me emocionando Acho que reconhecemos um bom poeta, justamente quando as poesias consegue fazer vim a tona emoções e isso meu amigo é o que mais faz. Meus parabéns pelas poesias tão bem escritas. Um feliz noite para você e para Tais. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Pedro
    Com que ternura você encadeia nestes soberbos versos a desilusão de uma mulher que ficou anos esperando pela volta do amado. Um poema nostálgico e comovente. E muito lindoooo
    Tenha um bom dia
    Um forte abraço da amiga,
    Gracita

    ResponderExcluir
  6. Hermoso poema ...la espera infinita, que cansa y desespera....me recuerda a Penélope..
    Muy hermoso poema , sensible y emotivo
    Abrazo Pedro

    ResponderExcluir
  7. VERSOS EXCELENTES!!!!!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  8. Poesia para reler.

    Subtil e sensível.

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. deduje que es un poema a la mujer
    bonito trabajo

    ten una excelente semana
    gracias por tu huella

    ResponderExcluir
  10. A mulher disse adeus, sempre esperou até seco. E ele pensou que ele voltou, ele não o fez.
    Triste, mas muito bem escrito e , acima de tudo situação que parece muito real.
    Um grande abraço , poeta .
    * Desculpe se não está escrito corretamente , eu fiz com o tradutor , por isso, não se assuste se eu escrevi algo errado :)

    ResponderExcluir
  11. Olá, Pedro.
    Quantas vezes repetida por esse mundo, a história do seu poema, num sem fim de contar os dias, de esperar amores que não voltarão, jamais.
    Tantas histórias, tantas mulheres.
    abç amg

    ResponderExcluir
  12. O tempo tudo devia curar, mas o pensamento é mais poderoso.

    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Há muitos casos como este, onde a desilusão acaba por vencer.
    Gostei do seu poema, é excelente.
    Obrigado pela sua visita ao meu blogue, volte sempre.
    Pedro, tenha uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Oi amigo Pedro, que linda poesia! Bela escolha de palavras!
    Como já disseram, temos que viver o agora e aproveitar as pequenas alegrias que a vida nos proporciona!
    Abraços e tenha uma excelente semana, fique com Deus!

    ResponderExcluir
  15. me gusta tu intensidad cuando escribes un abrazo

    ResponderExcluir
  16. Oi Pedro,
    Você é um poeta, eu apenas uma aprendiz, nada melhor ter um professor como você.
    Beijos no coração
    Dorli

    ResponderExcluir
  17. E assim o tempo passa e quando damos conta, resta uma triste solidão, pois todos ou quase todos se afastam, enfim, tinha meu pai que hj é minha inspiração, nunca esqueço os gestos, o carinho, amor e respeito com ele lhe dava com tdos, sempre que escrevo ele me vem a cabeça, p´ra ele escrevi O velho poeta , A solidão de um poeta. Estou falando pq A mulher e o tempo que acabei de ler aqui muito me tocou, poesias assim tocam profundamente pq lembro meus pais, as marcas da idade chega pra tdos.

    Bjos e feliz fds!

    ResponderExcluir
  18. Por amor, a mulher esqueceu de si mesma
    e foi aniquilada pelo tempo...
    Muito bom, Pedro!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. UN TEMA DE HERMOSO, QUE PLASMA A LA MUJER COMO SIGNO DE FIDEDIGNO.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  20. Un poema triste.
    Las ausencias se hacen pesadas
    y duras cuanto mayor es el tiempo transcurrido...

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  21. Preciosas e expressivas palavras em versos. Uma feliz e maravilhosa semana

    ResponderExcluir
  22. Ola,pesquizando á noite pela internet.deparei com teu blog,e gostei muito de tuas poesias.Parabéns e meu abraço.SU

    ResponderExcluir
  23. Oi Pedro,
    Passando para lhe dizer que mudei de blog e o coloquei na minha lista
    Beijos
    Dorli Ramos

    ResponderExcluir
  24. Nunca me esqueço daquele que trás no coração
    carinho amor e respeito um bem querer.
    Como é bom poder contar com sua amizade,
    como é bom ter esperança mesmo ,
    quando imaginamos estar sozinhos.
    Sem duvidas não é verdade tenho sua amizade,
    fidelidade e o amor incondicional de Deus.
    Deixo um abraço com muito carinho
    Beijos no seu doce coração.
    Um abençoado final de semana.
    Evanir S Garcia.

    ResponderExcluir
  25. Esperou tanto, e confiante não percebeu os efeitos do tempo. Amar sim, perder o amor próprio jamais!
    Tenha um abençoado dia Pedro.

    Abçs!

    ResponderExcluir
  26. Hermosos versos nos regalas ...
    La mujer es el eterno femenino y el hombre el eterno masculino...
    juntos hacen que el mundo, sea mundo habitable, y el amor amor universal.

    Un abrazo y feliz semana.
    MA.
    El blog de MA.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO