>

6 de dez de 2015

[Filosofia] PEDRO LUSO – O Presunçoso


   

[ESPAÇO DA FILOSOFIA]


O PRESUNÇOSO
        – PEDRO LUSO DE CARVALHO


Nosso tema sobre a presunção foi em parte inspirado no pensamento de Jean de la Bruyère. O filósofo nasceu no ano de 1645, em Paris, e morreu em 1696, em Versalhes. Sua obra, Os Caracteres, foi concebida segundo uma tradução do grego Teofrasto. Nela La Bruyère retrata a sociedade francesa, às vezes de forma cruel, numa época em que esta passava por uma transformação plena, com a decadência das tradições morais e culturais. La Bruyère passou a integrar a Academia Francesa em 1693.
Diz Alcântara Silveira, tradutor e responsável pela introdução do livro Os Caracteres: “A sociedade francesa, sob o reinado de Luís XIV, teve em La Bruyère o seu melhor pintor, às vezes amargo, às vezes satírico, às vezes revoltado. Mais eloquente que La Fontaine, Boileau ou Molière”. (in, Jean de La Bruyère. Os Caracteres. São Paulo: Editora Cultrix, 1965).
La Bruyère escreve sobre o presunçoso: “O estúpido é um presunçoso exagerado. O presunçoso cansa, aborrece, enjoa, desagrada; o estúpido desagrada, exaspera, irrita, ofende: começa por onde o outro termina. O presunçoso está entre o estúpido e o tolo: compõe-se de um e de outro”.
Posto isso, vêm-nos à mente a pergunta: o que nos pode oferecer a pessoa presunçosa, se para ela o mundo externo – o mundo das outras pessoas – praticamente não existe? Nada pode ser esperado dessa pessoa presunçosa porque para ela somos apenas os ‘outros’, pessoas de pouca importância. O presunçoso lembra-se de nós apenas quando planeja auferir lucro às nossas custas.
Uma das características do presunçoso é a capacidade que têm para impor suas ideias, pela necessidade interior de mostrar-se importante; descobre ao longo dos anos técnicas para envolver as pessoas – alvos de suas ações. Obstinado, não mede esforços para atingir seus objetivos. Artista na arte de convencer, de impor suas falsas verdades, não se importa com o mal que possa causar às pessoas que o cercam. O seu “Eu” é grande demais para que possa pensar em outras pessoas, que não seja ele próprio.
É sabido que quem se deixar influenciar pelo presunçoso sempre terá o que perder, e não pense, em nenhum momento, que terá alguma coisa a ganhar com ele, que, como diz La Bruyère, é pessoa que jamais elogia, que censura sempre, que não está contente com ninguém, e que, por isso, é pessoa com quem ninguém simpatiza.


*  *  *


24 comentários:

  1. Olá dr Pedro, adorei a sacada do texto, presunção, o mundo esta eivado disso, o que me leva a pensar num outro, o medíocre, que bem poderia fazer parte desta mistureba, pois a estupidez parece uma praga entre os seres humanos, e infelizmente, parece que só estes tipos tem algum 'sucesso' neste nosso mundinho. Meio cruél este tema, mas interessantíssima a forma que li aqui. Ando meio sem rumo, pois tenho uma necessidade horrível de escrever, postar, tanta coisa na minha cabeça querendo sair, tanta coisa de dentro do meu peito, de minhas entranhas...e não consigo escrever sem ser no blog (que coisa louca né?)...Caro dr Pedro, de qualquer forma este post me trouxe um pouco de paz (rs), sério, pois é mais ou menos assim que funciono...já fiz minha boa leitura do dia, valeu.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedro, desnecessário dizer que seu texto é extremamente interessante, mas ele é mais que isso uma análise comportamental de muita gente que convive conosco.Até identifiquei algumas pessoas, menos eu ,é claro rsssss. Li, reli e voltarei ao texto,pois o tema é muito atraente.O presunçoso, o estúpido e o tolo......ah! quanta leitura vai dar....
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Pedro, esse tema é palpitante!

    O presunçoso é um tipo de pessoa, de personalidade repugnante. Conheço vários e é de difícil convivência. São pessoas com altíssimo nível de egoísmo, escala máxima. Têm características bem acentuadas de egocentrismo e são pessoas incapazes de gostar de alguém, quanto mais amar.
    Corro delas como o diabo da cruz, nada acrescentam, pelo contrário, sugam nosso sangue, felizes e pensando que são as criaturas mais inteligentes do planeta. Mas bem no fundo devem sofrer muito com seu complexo de inferioridade. São massacrantes.

    Beleza de tema, Pedro!
    Beijinhos, aqui do gabinete vizinho! rs

    ResponderExcluir
  4. Pedro, é um adjetivo que não quero para mim e gosto de manter distância de quem o é. Pessoas assim nos sugam e nada nos acrescentam. Há tantas outras qualidades que podemos desenvolver... Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Filosofía pura, amigo Pedro. Me has provocado una sonrisa porque me ha parecido que escribías justo después de haberte encontrado por la calle a un individuo de ese tipo. De los que siempre sabes por dónde irá. O te contará sus triunfos que no te interesan, tratando de deslumbrarte, o intentará sacarte algún beneficio. Desde luego, para ti sólo una pérdida de tiempo.

    ResponderExcluir
  6. Que beleza de partilha mestre.
    Com as definições analíticas deste ser em gravidez real.
    Este "eu" imposto é algo do qual devemos fugir e evitar sob pena da desagregação total.
    Uma linda semana com meu terno abraço.

    ResponderExcluir
  7. Um tema para pensar. Mas como diz um ditado português. "presunção e água-benta cada qual toma a que quer"...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Olá Caro Pedro creio que de um modo geral todas as pessoas já encontraram alguém assim na vida. Deve ser engraçado quando dois iguais se encontrarem !!
    Ótima postagem, abraço, Léah

    ResponderExcluir
  9. ¡Lástima que haya tantas personas así!
    Se creen tan superiores, que cuando están a tu lado, dan la sensación de que te están perdonando la vida.
    Yo me he preguntado muchas veces ¿Podrá ser una forma de ocultar sus propias debilidades e inseguridades?
    Ha sido una entrada interesante.
    Agradezco mucho tus letras, seguiremos en contacto.
    Cariños y buena semana.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  10. "O presunçoso está entre o estúpido e o tolo", absorvendo realmente características de uma e de outra "espécie". Presume ter qualidades que faltam aos outros, não se dando conta de como é ridículo. Convencido de que é o mais belo e o mais inteligente, supostos predicados que tenta utilizar na sedução dos outros, em proveito próprio.
    Ao presunçoso falta empatia por viver preso num complexo de superioridade que apenas o inferioriza.
    Bela reflexão, a partir da obra de La Bruyère!
    xx

    ResponderExcluir
  11. Não é possível, de fato, simpatizar com alguém assim. Um ego grande demais, sem capacidade para perceber qualidades que não sejam as que atribui a si mesmo. Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Me asfixian esos personajes que solo viven para su "ego" sin arriesgar a entregar el todo.
    Son ridículos y me inspiran mediocridad.
    Saludos.

    ResponderExcluir
  13. Muy interesante reflexión.

    No está bien creerse superior a los demás.

    Pero hay personas así.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  14. Olá Pedro
    O presunçoso é uma pessoa perigosa. Se faz de amigo, de necessário, de frágil e tudo para nos envolver em sua trama e quando de nós não pode auferir lucro financeiro esvazia-nos roubando a nossa autoestima e com isso nos joga no fundo do poço. Já fui vítima de um ser assim.
    Um belo conto com uma reflexão espetacular

    Ps. Amigo Pedro não sei o que acontece com esta plataforma blogger. Não consigo receber as atualizações da sua página. Daí minha ausência no seu espaço que gosto tanto de visitar

    Um carinhoso abraço e minhas desculpas


    ResponderExcluir
  15. Olá Pedro,

    O presunçoso 'se acha'. É o mais de tudo. É vaidoso demais para conseguir enxergar que beira ao ridículo. Humildade, nem pensar! É tão convencido que nem percebe que não está agradando. O presunçoso sofre de excesso de amor próprio. E como é um ser egoísta, nunca conseguirá gostar de ninguém, além de si próprio.
    Quem suporta conviver com uma pessoa assim?
    La Bruyère traduziu muito bem a personalidade de um ser presunçoso e você complementou com muita propriedade.
    Prefiro não dar espaço a pessoas do tipo para que não permaneçam perto de mim além do estritamente necessário.

    Ótima crônica.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  16. O presunçoso é egoísta, invejoso, egocêntrico etc...
    Nem sempre é possível afastar-se dele.
    Beijos, Pedro!

    ResponderExcluir
  17. Um artigo muito interessante meu amigo e estou a ler neste momento um livro cujo titulo cai na perfeição neste tema " O Idiota" do Dostoievski.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderExcluir
  18. Gracias por tu visita. Te mando un saludo desde Madrid - España

    ResponderExcluir
  19. E como tem pessoas presunçosas e arrogantes.
    Lindo texto.
    Obrigada pela visita e por me seguir.
    Abraços e um ótimo final de semana..
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  20. Excelente reflexão.
    Não suporto pessoas presunçosas.
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  21. Lo peor de los petulantes engreídos no es que siempre intenten resaltar sobre los demás, sino que la gran mayoría de las veces pisan a los demás y rebajan los méritos de las personas allegadas simplemente por vanagloriarse ellos. Pueden mentir, pero no nos engañan.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  22. Boa noite Pedro.
    Um belo texto, acho que não fui a unica ao ler que lembrou de alguém assim, infelismente tem pessoas presunçosas que fazem parte da família e é preciso buscar meios de não deixarmos ser atingidas , tendo no minimo uma convivência razoável, pessoas assim querem ser sempre servidas, não suporta ouvir um não ou ser contrariadas. A forma que encontrei foi evitar a presença, assim nós falamos pouco, quanto menos melhor rsrs , evitando assim brigas desnecessária. Um feliz domingo para vocês. Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Claro que se o estúpido não acrescenta nada, o presunçoso também não. Só há a verdade que ele próprio elege, de realidades nunca se convence. Na verdade, nunca se deve discutir com quem nunca nos dará hipóteses de chegar a acordo, por bem formulado que apresentemos o nosso raciocínio. Filósofos como La Bruyèrie bem sabiam disso.
    Abraço

    ResponderExcluir
  24. Não da para evitar.o tempo todo, esbarrar em pessoas assim. O que eu faço é não alimentar o super ego, ser educada e ficar na minha. O que penso e sinto é muito maior do que a forma como o outro me julga.
    Abraços, Sônia

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO