>

2 de abr de 2012

[Conto] OSVALDO ORICO – A Surpresa

Osvaldo Orico - A.B. L

                 por Pedro Luso de Carvalho


        OSVALDO ORICO nasceu em Belém, Pará, a 29 de dezembro de 1900; morreu no Rio de Janeiro a 19 de fevereiro de 1981. Bacharelou-se em Direito pela Universidade do Rio de Janeiro. Nos anos de 1920 a 1932 lecionou na Escola Normal. Foi Diretor de Instrução Pública do Distrito Federal, em 1930. Foi diretor de Educação e Cultura do Estado do Pará, em 1936; nesse mesmo ano, assumiu o cargo de Secretário Geral desse Estado; e, ainda, ingressou na Academia Brasileira de Letras, ocupando a Cadeira 10, que antes era ocupada por Laudelino Freire; recebeu-o na ABL o acadêmico Cláudio de Souza, em 9 de abril de 1938.

        Em 1938, foi Diretor da Divisão de Educação Extra-Escolar do Ministério da Educação e Saúde. No ano de 1940 chefiou a representação brasileira da Exposição do Livro, em Montevidéo. Nesse ano, foi diretor da Secção Cultural do Pavilhão Brasileiro na Exposição do Mundo Português. 

        Escreveu o livro A Vida Imita os Contos, que foi publicado no Rio de Janeiro pela Record, em 1995. Na abertura do prefácio dessa obra, Jorge Amado, que o escreveu, disse: “Vanja Orico , cantora, artista, cineasta, atuante figura da vida cultural brasileira, presença que se impõe à admiração de todos os que amam a arte, a literatura e a democracia, enviou-me alguns contos inéditos de Osvaldo Orico que irão fazer parte de um livro póstumo cujo título sera A Vida Imita os Contos.

        No seu prefácio, disse Jorge Amado, mais adiante: “Osvaldo Orico exerceu a poesia, mas foi sobretudo um prosador que tocou com sucesso as vertentes de vários gêneros, da ficção ao ensaio, da biografia às memórias, mestre na recriação de ambientes e figuras históricas”. No final do prefácio Jorge Amado faz referência à filha do escritor: “Vanja Orico vem prestar relevante serviço às nossas letras ao reunir em volume os contos inéditos de seu ilustre pai. Os leitores de Oswaldo Orico lhe serão gratos – e que dizer dos amigos?”

        Segue o conto A Surpresa, um dos dezessete contos que compõem o livro A Vida Imita os Contos, de Oswaldo Orico, com prefácio de Jorge Amado, publicado pela Record, Rio de Janeiro, 1995, p. 161-165:

                                                     [ESPAÇO DO CONTO]

                                                           A  SURPRESA
                                                                                               (Osvaldo Orico)


        Foi um domingo afortunado aquele. O Longras não esperava descascar tão cedo os dois abacaxis mais difíceis de seu elenco de vitalinas: Elvira, uma solteirona magra e míope, que havia dois anos esperava um noivo capaz de suportá-la; e Lindaura, uma dengosa moreninha, que exigia, além de “honesto, trabalhador e fiel”, um rapaz que, se vestisse, no dia da boda, um terno azul-marinho, em vez do usual costume de linho branco.

        Para a solteirona magra e míope, apareceu um cidadão viúvo, o Palimércio, com oito filhos. E que andava à cata de madrasta para a pirralhada incorrigível. Tinha sessenta e cinco anos e uma farta dose de reumatismo, que lhe emperrava uma das pernas. Capengava, mas correu ao encontro de sua diva, com estrabismo e tudo, porque ela representava a solução doméstica para o seu caso. A única exêgência feita era que lhe mandassem um carro à porta da residência, a fim de transportá-lo à igreja no dia do casório. Porque os táxis andavam escassos e ele não ia lá das pernas.

        Para Lindaura, que era atraente e bem apanhada, apareceu o Laurentino, comerciário, branco, boa-pinta, que só tinha como defeito uma amnésia persistente, que o levava a esquecer as coisas mais importantes da vida.

        O dono do programa consultou os candidatos sobre as datas dos esponsais:

        - Na semana próxima – respondeu Lindaura, antes que o noivo se esquecesse do compromisso assumido.

           - Devagar com o andor que o santo é de barro. Tenho de falar com uma alfaiataria, para atender seu desejo.

        Quanto ao Palimércio, não haveria problema. Expediria instruções ao garagista para que mandasse buscá-lo no dia marcado.

        Convencionou-se o enlace de Elvira com Palimércio e de Lindaura com Laurentino dentro de quinze dias. Os candidatos deixaram o endereço para que, na data certa, o carro e o terno azul-marinho chegassem ao seu destino.

                                                                            * * *

        A campanhia bateu insistentemente.

       Laurentino correu à porta. Abriu-a. Ninguém. Estava preocupado com o terno azul-marinho que encomendara para a cerimônia. E que não chegava nunca. Olhou o relógio. O ponteiro marcava cinco horas. A tarde caía. O alfaiate não mandava a roupa.

        A campanhia voltou a tocar. Espiou mais uma vez, e nada. Como o ruído continuasse, passou pelo corredor. Ouviu então de onde vinha o barulho timpânico. Não era da porta, não. Era o telefone. Seria o alfaiate desculpando-se da demora? Levantou o fone, ainda metido no pijama de listas.

        - Alô.

        E do outro lado, uma vozinha meiga, convidativa:  

        - É o Laurentino?

        - Eu mesmo.

        - Você está pronto?

       Ainda nem sequer havia tomado banho, à espera da roupa, mas reconheceu a voz de Lindaura. Lembrou o compromisso. E teve de mentir.

        -  Quase pronto. Só falta pôr a gravata e o paletó.

       - Então não demore. Olhe que os padrinhos já chegaram aqui em casa. Às sete horas da tarde estaremos todos na igreja. Ficou bem o terno azul-marinho que escolhemos juntos?

        - Uma luva.

        - Então você deve estar uma uva. Até já, querido.

        Laurentino recolocou o fone no lugar. Só depois é que considerou a questão. Ele havia prometido à noiva que se casaria de escuro e gravata cinza-clara, tendo escolhido com ela uma roupa feita. Azul-marinho. Teria esquecido, por acaso, de dar o endereço? Não. Lembrava-se de que o fizera por escrito. O que podia acontecer é que a direção do programa se houvesse equivocado, mandando o terno para outro noivo. Como a encomenda não chegava, o remédio era apelar para o costume de linho branco que a lavanderia mandara na véspera, engomadinho e reluzente. Lindaura – a sua prometida, com a qual deveria casar-se naquele dia, dentro de momentos – detestava essa indumentária, que lhe causava a sensação de casamentos feitos no Palácio da Justiça, ali na rua Dom Manuel, entre gente do povo. Ela suspirava por um casamento de gente bem. Não tendo outra solução, envergou o costume de linho. Cinqüenta minutos antes da hora do casório pára, em frente à casa, um carro de luxo, com motorista em grande uniforme.

        - Vim buscar o noivo.

        - Sou eu mesmo.

        A sorte o estava ajudando. Não contava com aquela ajuda da providência.

        - Para onde vamos?

         - À praça, na igreja Nossa Senhora da Paz.

        O motorista conferiu o endereço com o papel que tinha no bolso. Era o mesmo. Não teve dúvida em receber o passageiro. Ainda mais que estava de branco e sapato preto, assim como quem vai casar. Laurentino olhou o relógio, esquecido de que adiantara o ponteiro a fim de não chegar atrasado. Para evitar dúvidas, pediu ao motorista que aumentasse a velocidade. Não desejava que Lindaura ficasse à sua espera. Pela primeira vez na vida queria cumprir a palavra dada a testar sua pontualidade. Em poucos minutos, o automóvel ganhou a praça. Ao descer dele, Laurentino ouviu os últimos compassos do coro, e deduziu que, mesmo tendo corrido, chegara atrasado. Que a noiva já devia haver entrado na igreja, porque não havia aglomeração na calçada. Convidados e curiosos estavam todos lá dentro, sentados ou entupindo a porta e a passagem. Que fez, então? Para ganhar tempo, embarafustou pela ala direita do templo, onde uma porta dava acesso ao altar. Vendo a noiva já de joelhos em frente ao padre, não discutiu. Acotovelou os curiosos e ganhou o degrau em que, encolhida e genuflexa, ela o esperava. Pacientemente. De cabeça baixa, como se estivesse em oração. Ou em transe.

        Prosternou-se a seu lado, pedindo em voz baixa, quase imperceptível.

        - Perdão pelo atraso. Depois explicarei.

        Contrafeita, a moça não mudou de posição. Nem sequer moveu a cabeça para ouvir a desculpa. Devia estar impaciente, aborrecida. Por duas coisas: primeiro, pela demora do noivo, depois por vê-lo chegar de branco, em vez de terno escuro que ela mesma escolhera com ele. Sentindo a frieza com que era recebido, Laurentino justificou-a, procurando na humildade, no recolhimento, corrigir, ou, pelo menos, atenuar as culpas que carregava. À semelhança da futura esposa, enterrou a cabeça no peito, ouviu as palavras sacramentais que o sacerdote começava a proferir. Atordoados pelos imprevistos e pela série de acontecimentos que marcavam a boda, ao serem interrogados se estavam de acordo em tomar-se por legítimos esposos, ambos proferiram um sim convencional, que era mais de mau humor que de satisfação. Em todo caso, um sim. Estavam casados, irremediavelmente casados pela igreja.

        Terminada a cerimônia, levantaram-se lentamente, dirigindo-se à sacristia, onde deveriam receber os cumprimentos. 

        Quando a noiva levantou o véu, Laurentino recuou espavorido e estupefato: tinha a seu lado uma criatura velha e vesga, que não era outra senão Elvira, cuja miopia não a deixou ver um palmo diante do nariz.

        Na confusão da pressa, alguém trocara os endereços, remetendo ao Palimércio o terno que devia servir ao Laurentino. E despachando para este o carro que devia ir buscar o outro.

        O resultado é que Laurentino chegara à igreja meia hora antes de sua vez. E Palimércio, atrasado e esbaforido, meia hora depois, quando Lindaura transpunha a porta do templo e o coro começava a soltar as primeiras notas da Marcha Nupcial


                                                                 * * * * * *

2 comentários:

  1. Boa noite, querido Pedro Luso.

    O conto é bom demais!
    Antigamente os viúvos cheios de filhos, sempre se casavam para ter uma doméstica.

    A minha querida avó se casou duas vezes, e todas duas, foram com viúvos cheios de filhos pequenos.
    Ela era bonita, mas seu pai a obrigou, porque ele era amigo do viúvo.

    Assisti muitos filmes com a atriz Vanja Orico.
    Que bom ela ter tirado do baú, a obra do seu pai.
    -------------------------

    FELIZ PÁSCOA!!
    Que a luz Divina ilumine todos os seus projetos.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Hey, great blog!! Nice set up and pictures!! Keep up the good work!! You are invited to check out or follow my blog anytime!!! Have a great day!!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO