>

26 de jun de 2016

[conto] PEDRO LUSO – Marido traído



    
    [ESPAÇO DO CONTO]


     MARIDO TRAÍDO
    PEDRO LUSO DE CARVALHO




Não falta muito para Apolônio completar cinquenta anos. Por isso, anda chateado, mais que isso, amedrontado por pensar que está velho. Somente agora ele se preocupa com a idade, antes sua atenção esteve sempre voltada para Berenice, com quem está casado há mais de vinte anos, e para os dois filhos.
Esses cinquenta anos, que está por fazer, têm levado Apolônio a pensar no passado. Em casa, quando descansa, vem-lhe à mente sons e imagens da infância e da adolescência. Para ele, que sempre disse ser importante apenas o futuro, agora se incomoda com lembranças, que nunca as quis ter.
Dia destes, Apolônio lembrou-se do seu pai, quando lhe pediu para estudar medicina, como ele. Naquele dia, faltou-lhe coragem para dizer que tinha outros planos. Não o contrariou. No dia da formatura, sentiu que os esforços empreendidos foram compensados pela alegria refletida no rosto do velho médico.
Formou-se, mas não prometeu que teria a mesma dedicação ao trabalho, que o pai sempre teve. Não quis sequer especializar-se. Na primeira oportunidade, prestou concurso e ingressou no serviço público. Ficou feliz ao ser designado para a perícia médica, onde teria pouco contato com doentes.
Nesta tarde, Apolônio não se sente bem. O médico, chefe da repartição, aconselha-o a voltar para casa. Na avenida, por onde vai, avista o carro de Berenice à sua frente, dando sinal de luz para dobrar à direita; ele segue a mulher, que se dirige para uma casa, quase escondida entre árvores, onde termina a rua.
Apolônio estaciona seu carro perto da casa, cuidando para que sua presença não seja notada. Em meio às árvores, ele consegue ver outro carro estacionado, e desconfia que se trata de um homem à espera Berenice. Apolônio olha para o relógio, no painel do seu carro, que marca dezesseis horas e alguns minutos.
Atento, Apolônio vê o carro de Berenice aproximar-se de um pátio, em frente à casa ensolarada, e estacionar ao lado de outro carro, que ali já se encontrava. Ansioso para saber quem espera por Berenice, Apolônio vê que ela sai do carro vai ao encontro de uma mulher elegante, que a abraça e a beija.
No pátio, em meio às árvores, Apolônio espera pacientemente. Logo Berenice e a mulher elegante entram abraçadas na casa e desaparecem de suas vistas. Mais calmo, Apolônio resolve ir à cafeteria de um shopping, aonde fica até o início da noite, para não chegar em casa antes de Berenice, que irá à porta para recebê-lo.




           *    *    *




37 comentários:

  1. Olá Pedro.
    Tema forte disfarçado numa história contada duma maneira tão informal, como quem "não quer a coisa" - simplesmente maravilhoso esse jeito de nos mostrar a realidade da vida de pessoas de boas famílias, onde tudo parece perfeito, onde nada é o que parece, onde a comodidade e um machismo estranho tudo permitem. E vive-se nesse faz-de-conta que "minha vida é bela", até que se depara com o avançar do tempo e surge a inquietação.
    Abço amigo
    Carmem

    ResponderExcluir
  2. Puxa, Apolônio até esqueceu que se sentira mal momentos antes...Afinal agora, ficava ali à espreita e NADA OFICIALMENTE pudera ver.Poderia até imaginar, mas...
    Esperaria até a hora de voltar normalmente do trabalho e certamente Berenice lá estaria, como sempre pra lhe receber. Será fariam tudo normalzinho, um faz de conta que tudo segue bem? Fiquei pensando o final,rs Adorei a leitura! abraços, linda semana,chica

    ResponderExcluir
  3. É, coitado do Apolônio, logo na entrada dos seus 50 anos, e meio preocupado. E aí sua mulher sai do armário, traindo-o, coisa que jamais esperava.
    E como se desenrolará o caso daí pra frente com Berenice? Pelo fato de ser com uma mulher vai alterar alguma coisa? Pergunto isso porque Apolônio foi esperá-la em casa, sem que ela notasse nada. O que teu ótimo e intrigante conto causou em mim foi curiosidade! A vida apresenta certas surpresas aos que menos esperam... Mas é sempre triste um acontecimento desses - a traição. Seja com sicrana ou fulano.
    Conto muito criativo e retrata a vida como ela é – como dizia Nelson Rodrigues, com suas traições, hipocrisias, ciúmes...
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  4. Hola Pedro.
    Una historia que por desgracia, es muy habitual de estos tiempos..
    P:D.
    Traducida tu página puedo leerte, aunque en algunas ocasiones me cueste recomponer las historias, quizá porque no haya buena traducción.

    Abraço.

    Yayone.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Pedro... coitado do Apolônio! de qualquer forma o seu orgulho masculino saiu ileso , afinal estava andando por seara alheia.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. Hola Pedro, una que es muy usual en la vida, por desgracia.
    Es un placer leerte, aunque tengo que traducir y luego entender en Español.
    Que disfrutes la semana.
    Un abrazo amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  7. Su texto provoca varias reflexiones. La joven mezcla de cobardía y amor que impidió al estudiante plantar cara al deseo paterno, cuando diseñó para él un futuro alejado de sus sueños. El cumpleaños que obliga a revisar lo vivido.
    En cuanto a la traición… ¡Ay!
    Como se complica la vida el ser humano...

    ResponderExcluir
  8. Muy buen relato, muy ajustado a la realidad del mundo de hoy...el engaño ....o traición...no solo por parte de la mujer, indistintamente sucede en ambos casos y en este con otra mujer el encuentro furtivo de Berenice....
    Abrazo Pedro

    ResponderExcluir
  9. Uma história que me deixou presa à sua narrativa. Percebo a inquietação do Apolônio. E fico a pensar na realidade deste encontro...
    Um abraço, amigo.

    ResponderExcluir
  10. La vida nos lleva muchas veces a estas circunstancias, el no seguir lo deseado de los padres y el sentirse engañado por la pareja, que lástima no poder lograr lo ideal.
    Un saludo

    ResponderExcluir
  11. Boa noite Pedro.
    Uma bela historia cheia de interrogações, primeiro sobre o Pai do Apolônio , que fez questão que o filho o segui-se na sua profissão, por aqui foi a mesma coisa, porem a tempo percebi que a minha filha estava infeliz por seguir medicina para seguir os passos do seu Pai, mas graças a Deus um belo dia ela pediu para conversamos, e me disse que queria largar tudo e ser advogada, tomei um baita susto, fiquei atônica. Ate cometei no blog, sem entrar em detalhes o dia de vitoria da minha filha, e esse dia foi o dia que ela largou tudo e se matriculou na faculdade de direito, ela começará no dia 19 de agosto, depois disso eu pude ver o alivio e a felicidade da minha filha. Fiquei culpada por não ter percebido antes. Não podemos querer que nossos filhos sigam os nossos passos, o de quem que seja, mas façam o que querem para seres felizes. Quanto a traição da esposa, se é que isso de fato aconteceu, pois a maldade existe também nas mentes humanas, poderia ser uma grande amiga etc. Mas se de fato foi uma traição a ficha ainda não caiu para o coitado do Apolônio , que iria precisar ver um ato mais complementador, para acordar que estava de fato sendo traído. Mas no meu ponto de vista preveria ser traída por outra mulher, do que pelo um homem rsrs. Mas tem pessoas que pensam diferente, o melhor mesmo afinal é não ser traída rsrs, não está mais a fim, termina e pronto, afinal ninguém é de ninguém, e todos devem buscar sem feliz, mas com traição e mentiras no meu ponto de vista não pode ocorre felicidade, pois estarão no mundo de mentiras. Uma linda semana para vocês, enorme abraço.

    ResponderExcluir
  12. Amigo Pedro
    Coisas da vida, desde sempre as aparências enganam, mas há quem prefira viver de aparências mesmo com amargura, ao invés de chutar o pau da barraca e ser feliz, aliás deixar, no caso a Berenice seguir seu caminho e também ser feliz, já que ele não teve forças para escolher o seu profissional.
    O Apolônio vai ser infeliz enquanto viver, mas seu conto foi muito feliz, gosto de seu estilo conciso que nos leva ao que interessa e envolve-nos na trama.Ótimo
    Beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  13. isto de ser médico à força arrasta consequências funestas.
    como a sua narrativa sabiamente sugere...

    abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
  14. ~~~
    Um marido ingénuo...
    A traição, para mim, é mais do que um ato extremamente desprezível
    que repudio, é um asco visceral...
    Por mais difícil que seja a situação, não admito que não a resolvam!
    Muito bem contado, deixando espaço para a criatividade do leitor.
    Um abraço, Pedro.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  15. Oi amigo, vim lhe desejar uma ótima semana!!
    Desculpe a ausência!! Tentarei visitar os blogs amigos assim que possível!!
    Abraços e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  16. Oi Pedro! Boa tarde!
    Ótimo texto, e muito bem narrado.
    E que triste essa tal de traição! É preferível ser verdadeiro, e tentar os dois serem felizes!
    Um grande abraço amigo,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  17. ¡Apolonio está listo para la crisis de los 50!.
    Que puede ser muy beneficiosa, porque en ella se
    hace una evaluación de la hoja de ruta y se cambia
    de dirección.

    Um abraço, Pedro

    ResponderExcluir
  18. ja que fazem anos que são casados, deveria conhecer melhor a mulher com quem vivia, sem pestanejar julgou, mas queria ver com os próprios olhos, até que conclui seu erro...parabéns um belo texto que nos diz que pode parecer, mas pode não ser...gostei

    ResponderExcluir
  19. Como habitualmente um conto que nos prende até ao final.
    Pobre Apolónio, que triste e dolorosa situação.
    Que iria ele fazer?
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  20. Belíssimo texto! Um conto relatando a desconfiança do marido e que na verdade se tratava apenas de um encontro entre duas amigas. Uma bela noite

    ResponderExcluir
  21. Uma traição... diferente... talvez por não se tratar de um encontro com um homem... Apolônio aceite esta suposta traição... que o poderá ser ou não... pois poderá ser apenas um encontro de amigas... ou, no limite, um encontro amoroso, com outra mulher... o texto não entra em detalhes... mas faz-nos reflectir, porque razão, ele fica a aguardar que ela chegue a casa...
    Sempre uma história, com um desenvolvimento inesperado, pelo que vejo!
    E mais um texto fantástico!
    Abraço! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  22. Subscrevo as palavras da Ana Freire.
    Achei interessante e afinal, sempre será melhor uma traição assim... rsrsrs...
    abraço

    ResponderExcluir
  23. Aprecio muito esta sua excelência (sempre) na narrativa
    e com o desfecho incomum.
    Os seus contos acionam ao leitor, dialogar com o texto.
    Parabéns por mais este excelente conto!

    Os espaços: seu e da Taís são preciosos!!
    Abraço, amigo poeta.

    ResponderExcluir
  24. Como siempre Pedro nos haces que pensar. No sabemos quien es esa mujer. Puede ser una amiga, una hija secreta, o...Mejor no pensemos mal.
    El caso es que el bueno de Apolonio se va contento a casa.
    Un abrazo desde el caluroso Madrid

    ResponderExcluir
  25. Sugerente...sorprendente...¡Como la vida misma!

    ResponderExcluir
  26. Ahora nos toca a los lectores imaginar el final: ¿le pedirá explicaciones? ¿Hará como si todo siguiera igual? ¿No tiene ganas de disputas y acepta la situación? ¿Le contará ella algo?
    Nos gustaría saber el final que ha pensado usted para el cuento.
    :)

    ResponderExcluir
  27. OI PEDRO!
    E AGORA?
    APOLÔNIO VAI ENGOLIR ESSA OU PEDIRÁ EXPLICAÇÕES A MULHER?
    QUEM SABE CONTINUAS O CONTO?
    CONFESSO QUE LI SEM PESTANEJAR, QUERENDO SABER O FINAL.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. Muy buen relato.

    Cómo será su final?.

    Un abrazo. Feliz mes de Julio.

    ResponderExcluir
  29. El pensamiento es libre y las explicaciones pueden ser variopintas. Quiero entender que el relato debemos completar a nuestro gusto. Sea lo que sea, parece que es algo que se le oculta al marido y esto por aalgo será. ¿No es verdad?

    He pasado a saludar como estoy haciendo con otros blog amigos porque, como ya habrá notado, hace más de cinco meses que no he vuelto a publicar. Creo que volverée a hacerlo en breve pues ya estaba echando de menos vuestros relatos. Saludos cordiales. Franziska

    ResponderExcluir
  30. Um conto interessante, a mulher traindo o marido, e ainda por cima com um final que eu não esperava; trair o marido com outra mulher foi uma surpresa. Não sei como vai reagir o Apolónio, mas creio que ficou mais tranquilo por ter sido com outra mulher; se assim for é por puro machismo, pois traição é traição seja com outo homem ou mulher. Não estamos acostumados a estas coisas, mas é cada vez mais comum. Sei que o conto acaba aqui, pelo menos tem sido assim, mas gostava de saber a reacção do Apolónio. Bom fim de semana, Pedro. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  31. ¡Hola Pedro!

    Bueno cincuenta años no es nada!!! Si por bien es, le quedan muchos por vivir. Es verdad que cuando avanzamos en edad,casi todos/as viajamos al pasado, a nuestra niñez y juventud, vamos haciendo un repaso de la vida pasa de esas huellas que fuimos dejando atrás, pero eso no es malo, pues para mirar al futuro, es necesario mirar al pasado para no cometer los mismos fallos.

    Ha sido un placer pasar por esta tu casa de la que se respira buena fragancia" que tus letras expanden.
    Te dejo mi inmensa estima y gratitud.
    Un beso y se muy muy feliz.

    Hasta septiembre, si Dios quiere.

    Chauuuu

    ResponderExcluir
  32. Interesante relato, me encantaría que continuara. Besos y buen día.

    ResponderExcluir
  33. Muy bueno y da que pensar.
    Besos

    ResponderExcluir
  34. uma traição diria eu imprevista.
    interessante
    boa semana.
    beijinho
    :)

    ResponderExcluir
  35. O que será que será? Vamos acompanhar a vida de Apolônio para saber as ilações daqui para a frente.
    Machista como deve ser, há de perguntar-se: com uma mulher?
    Pode-se afirmar que seria o plano de imanência na coexistência de sensações clitorianas? Como saber?
    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  36. Um conto que no fundo retrata bem muitas situações bem reais e infelizes!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  37. E o que fez Berenice com aquela mulher Apolônio não questionou.
    Recuperando do incômodo criou um incômodo maior que fica na mente.
    Muito bom com este suspense que fica.
    Abraços Pedro.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO