>

31 de jan de 2016

[Conto] PEDRO LUSO – O homem e sua sina


    
 O HOMEM E SUA SINA
       –    PEDRO LUSO DE CARVALHO
  
Sentado num banco da Praça da Alfândega, Licurgo Pereira espera com ansiedade e medo. Levanta-se do banco e dá alguns passos em círculo, tentando acalmar-se. Torna a sentar-se. Olha para o relógio. Mal vê as pessoas que passam à sua frente. Preocupado, estica o pescoço para ver a rua em perspectiva. Então, se recorda do que lhe disse o homem de voz grave: “Aguarde-me na praça. E seja discreto”. Licurgo levanta-se para dar mais alguns passos. Precisa controlar-se. Volta a caminhar em círculo. Move-se com agitação. A noite que se aproxima agrava ainda mais o seu estado. Vem-lhe a lembrança os tempos de jovem e do que lhe dizia seu pai sobre a retidão. As cores avermelhadas do crepúsculo contrastam com a cor cinza dos prédios que se amontoam no centro da cidade. Logo a noite apagará essas cores. Lâmpadas acendem-se clareando ruas e praças. Vitrines iluminadas atraem olhares curiosos. De repente um homem aperta o braço de Licurgo, como uma ameaça. Assustado, levanta-se do banco da praça. “O senhor está me esperando?”, pergunta o homem. Licurgo não responde. O homem faz uma advertência com rispidez: “Quieto. Sejamos discretos.” Depois, a um gesto seu, dois homens se aproximam e levam Licurgo Pereira para o carro. O homem de voz grave entra por último, e diz ao motorista: “Vamos.” E acrescenta: “Ainda temos que terminar o serviço”. O carro deixa o centro da cidade sem pressa, em direção à larga avenida. Daí, parte em alta velocidade para sumir ao longe, no breu da noite.
        
   *  *  *

34 comentários:

  1. Pois é, vê-se nesse conto que depois do leite derramado não há alternativa. Licurgo deveria ter pensado no conselho de seu pai, quanto à retidão, há mais tempo.
    E agora? O que acontecerá a Licurgo? Bem, esse é o 'x' da questão: fica para a imaginação de cada um.
    Eu já imaginei uma porção de coisas...
    Ótimo conto!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  2. Bom já que a coisa estava neste pé, eu não esperaria, nem pagaria pra ver.
    Isto dentro do que eu imagino que iria acontecer com Licurgo.
    Que nome! Achei interessante, eu não conhecia. Fui pesquisar e vi que Licurgo foi uma personagem da mitologia, e matava à traição. Não sei se o nome foi escolhido a proposito por você. Já na Wikipédia encontrei outro Licurgo que difere no caráter e personalidade, ele foi um legislador, conhecido por sua honestidade.

    Muito bom o Conto, me fez pensar...

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que fantástico; lembra Hemingway com suas silepses de estilo.

    Parabéns; estou muito contente por ter descoberto seu blog.

    ResponderExcluir
  4. Ótima semana!!!!!!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  5. Texto maravilhoso amei em entrar no blog super escrita,
    sucesso arrasou, tenha uma semana abençoada.
    Blog:http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Novo vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=apP6eHn5PlI

    ResponderExcluir
  6. Diría que cuando Licurgo Pereira se tranquilizó y abrió los ojos, aún portaba en su mano el revólver humeante...

    ResponderExcluir
  7. Un magnifico relato. he disfrutado con su lectura.
    Saludos

    ResponderExcluir
  8. Un placer disfrutar tan hermoso relato, mis saludos
    Carmen

    ResponderExcluir
  9. Pedro, seu estilo de escrita é fantástico. Você nos leva a ler, ansiosamente, esperando a conclusão. E a deixa em nossas mãos (rss). É certo que, ao mencionar "retidão", nos faz presumir que ele não seguiu os conselhos do pai, o que lhe trará desastrosas consequências. Gostei muito.

    ResponderExcluir
  10. Pedro Você sabe que é muito prazeroso ler suas crônicas sempre tão bem escritas e cheias de criatividade.
    Nesta percebo que o”the end” depende de cada leitor, o que é excitante para quem ama escrever, que é bem o meu caso, só não me atreveria jamais, o melhor é deixar a imaginação correr solta para cada um, e agradecer por você compartilhar esta maravilha.
    Grande abraço.
    Léah

    ResponderExcluir
  11. Excelência é sua marca na literatura, Pedro!
    Um conto sintético, com imagens nas cenas perfeitas e
    um final devolvido para o leitor decidir com o seu
    imaginário, o destino de Licurgo...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. É isso, meu caro. A palavra-chave é retidão para entendermos as nuances da história. Para fazermos ilações sobre Licurgo. E, claro, a ausência do ponto final, deixando o leitor fazer novas ilações agora em relação ao futuro de Licurgo. Convenhamos que não é pouco. E a linguagem, esse estilo que nos apanha desde a primeira sentença à última.
    Agradeço sua visita à minha barbearia (risos) na pagina 21.
    Forte abraço,
    José Carlos

    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  13. Um belo texto muito bem escrito meu amigo deixando no final uma incerteza no ar.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  14. Bom e agora?
    Foi esta a reação que tive ao ler rapidinho, sem poder parar.
    Muito bom!

    ResponderExcluir
  15. Ótimo dia!!!!!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  16. El que la hace la paga, decía mi abuelo... cada cual recibe lo que se merece.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  17. Oi amigo, vim lhe desejar uma ótima semana, abraços e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  18. Boa noite Pedro.
    Coitado do Licurgo, por não ouvir o conselho do pai. É como dizem que não ouve conselho, ouve coitado rsrs. Um belo conto deixando os leitores a imaginar o final do Licurgo. Um feliz més de fevereiro para vocês. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  19. Excelente, Pedro!
    O conto é tão bem formulado que nos coloca dentro das cenas descritas. Licurgo, com certeza, 'aprontou', haja vista que em meio ao medo e ao nervosismo lembrou-se das palavras do pai sobre a retidão.
    E o final? Ficou por conta do nosso imaginário, claro-rs.

    Um conto que prende a atenção do princípio ao fim. Adorei ler.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Olá Pedro.

    Eu tenho certeza que comentei esse texto! Talvez não tenha enviado ou logada no perfil do Atitude estou tendo dificuldades de comentar. Agora mesmo não consegui.
    Bom, como ja li e refleti o texto, deixo os meus parabens pelo grande talento que tens e o meu carinho.

    Ótimo dia pra você!

    ResponderExcluir
  21. OI PEDRO!
    NOS DÁS A LIBERDADE DE DEDUZIR O QUE QUISERMOS, TERIA SIDO LICURGO VÍTIMA OU TEM CULPA NO CARTÓRIO?
    EIS O TALENTO DE QUEM SABE O QUE FAZ.
    PARABÉNS AMIGO.
    ABRÇS
    http://. zilanicelia.blogspotcom.br/

    ResponderExcluir
  22. Hoy me has dejado muy intrigada con tu escrito, lo he leído dos veces con detenimiento, pero me he quedado con la duda.
    A pesar de que escribes muy bien, y no tengo muchos problemas para entenderte, de esta vez me ha hecho falta mirar en el diccionario algunas palabras, pero, aún así, no sabría que decirte ¿Puede que sea un ajuste de cuentas? Por aquí hay un dicho que suele repetirse: NO LAS HAGAS Y NO LAS TEMAS.
    Cariños y buen fin de semana.
    kasioles

    ResponderExcluir
  23. Oi Pedro
    E com maestria nos envolve nessa trama para nos surpreender deixando para cada leitor sequenciar o conto da forma que lhe aprouver. Fantástico meu amigo
    Um ótimo final de semana
    Um abraço

    ResponderExcluir
  24. Será que o Licurgo marcou o destino de alguém ou será que foi alguém que definiu o seu?
    Gostei de ler.
    Bom fim de semana
    Um abraço.
    Maria

    ResponderExcluir
  25. muito adequado esse registo "sincopado" de frases curtas e impressivas ao "tom policial" da novela que se anuncia...

    gosto. de verdade.

    (grato pela presença lá no Heretico)

    abraço

    ResponderExcluir
  26. Boa noite, Pedro, é você nos deu o livre arbítrio em seu conto.Sabemos também que quando o autor entrega seu trabalho de escrita aos seus leitores, já perdeu o direito de dar novas opiniões, cada leitor terminará de acordo com seu estilo de leituras ou conhecimento. Confesso que gostaria de ler mais, porém conto é assim, fica-se na espera de mais. Muito bom. Abraço!

    ResponderExcluir
  27. Coitado do Licurgo, a começar pelo nome...!
    Adorei!

    ResponderExcluir
  28. Bom restinho de domingo!!!!!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  29. Qual terá sido o pecado de Licurgo... Caramba, Pedro, você bem poderia ter dado uma dica...
    Beijos rs!

    ResponderExcluir
  30. Uma linda imagem desta Porto Alegre.
    O texto é de uma profissionalidade marcante, cativar, permitir entrar na cena e não concluir para que o leitor decida.
    Parabéns mestre.
    Meu abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  31. ¡Hola Pedro!!!

    Un buen relato como siempre... Pero al final me quedo con la intriga. ¿Que destino tendría el Licurgo?... Bueno, eres un gran maestro en relatos. Y no será solo en relatos...

    Ha sido un inmenso placer pasar por esta tu casa.
    Te dejo mi gratitud y mi estima.
    Un abrazo y feliz carnaval.

    ResponderExcluir
  32. Gostei muito de ler seu conto. Volto aqui. Quanto a Licurgo, nome de personagem famosa, deve ter feito más escolhas na vida.
    Boa semana, Pedro.

    ResponderExcluir
  33. Pedro, escrevo nessa postagem porque não precisa liberar meu comentário (rss). Também já fui muito preocupada ao me manifestar em blogues. Creio que, até por nossa formação profissional, sabemos que palavras podem traduzir significados diversos e receamos passar mensagens que propiciem entendimento dúbio ou contrário ao que gostaríamos, já que, quem lê, faz sua própria interpretação. Hoje, não penso mais nisso (rss). Vamos conhecendo os amigos blogueiros e nos soltamos mais. Você escreve muito bem e jamais seria incompreendido em seus posicionamentos. Obrigada pela gentileza das visitas. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marilene, a razão está com você: na nossa formação profissional tornamo-nos formais, tanto em nossas atividades como na vida em sociedade. Mas, como você diz, com o tempo iremos soltando-nos mais, para um melhor 'convívio' com nossos amigos blogueiros.
      Abraços.

      Excluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO