>

16 de fev de 2016

[Conto] PEDRO LUSO – A traição



[ESPAÇO DO CONTO]

A TRAIÇÃO
– PEDRO LUSO DE CARVALHO

Aristides Borba sente-se desconfortável quando o amigo diz que precisam conversar. Pelo tom de sua voz, pressente notícia ruim.
Você pode me adiantar o assunto? – pergunta Aristides, sem esconder a ansiedade.
– Não posso, pelo telefone é arriscado.
Aristides aborrece-se com o amigo. Pesa-lhe ainda hoje o medo, que tantas vezes sentiu na escola. Agora, aos quarenta anos, sente-se igualmente atemorizado.
Amanhã fica bem? – pergunta-lhe o amigo.
– Fica bem sim!
Marcam o encontro para o Clube do Comércio, às quatro da tarde.
Aquela noite de Aristides foi um verdadeiro inferno. Ainda muito cedo, Cleuza chama-o para o café.
– Não conseguiu dormir, homem?
– Mal preguei os olhos – responde, sem olhar para a mulher.
Há algum tempo, Aristides não vai ao Clube do Comércio. Foi lá que comemorou a sua formatura pela faculdade de arquitetura. Depois disso, sempre que pode aparece para algumas doses de uísque. Ali fez muitos amigos, conheceu Cleuza, e com ela comemorou o primeiro aniversário de casamento.
Aristides chega ao clube às quatro horas. Acomoda-se numa mesa distante da porta. Pede ao garçom duas doses de uísque, uma para ele e outra para o amigo, que acaba de chegar.
– Como lhe disse ao telefone, o assunto é delicado – diz o amigo, depois de alguns goles.  
– Então, homem, diga logo do que se trata!
O amigo ajeita-se na cadeira e começa a contar que a mulher de Aristides tem um amante, há mais de dois anos.
– Só não sei o nome dele – diz sem mudar o tom da voz.
Aristides ouve sem esboçar um único gesto. A palidez dá-lhe a aparência de morto. Depois do impacto, olha envergonhado para o amigo. Este, até hoje não sabe de onde Aristides tirou força e pulmões para dar aquele grito de cólera, que ecoou por todo o clube.  Também não sabe como ele resistiu bater tantas vezes a cabeça contra a mesa, e ainda ter força para dizer:
– Eu vou descobrir quem é esse canalha...
Sem terminar a frase, Aristides cai da cadeira, já sem sentidos. A ambulância leva-o para o hospital, com presteza.  
Depois de algum tempo, o amigo faz uma visita a Aristides, em sua casa. Ao lado da cama, Cleuza segura a mão do marido, que se recupera do enfarto.
Mais tarde, o amigo tem notícias de Aristides. Está aposentado, devido à doença; passeia pelo bairro, com Cleuza; sai sozinho, duas vezes por semana, para caminhar com outros aposentados, no Parque  Farroupilha.
Disseram também, ao amigo, que quando Aristides Borba sai de casa, nesses dois dias da semana, à tarde, Cleuza aproveita o tempo de ausência do marido para se encontrar com alguém.
Soube ainda, o amigo, pela mesma fonte, com a devida reserva, que, quando Cleuza retorna à casa, já sob o manto do crepúsculo, dá ao marido sempre a mesma explicação:
– Aristides, meu bem, hoje fiz minha visitinha àquela querida amiga, de quem sempre te falo, estás lembrado?  


*  *  *

   

39 comentários:

  1. Sempre bom te ler.
    Pobre Aristides...

    ResponderExcluir
  2. Adorei o conto, Pedro! É mesmo assim que o ciúme funciona: do nada se faz tudo. Há um filme belíssimo, de Sidney Lumet, com o Omar Sharif e a Anouk Aimée nos papéis principais, que se intitula "O Encontro". Trata-se de um homem que tem a certeza absoluta de que a mulher é uma prostituta nas horas vagas. Faz-lhe a vida negra até que um dia, louco de ansiedade, marca um encontro no bordel de luxo com a mulher que ele crê ser a dele. Ela falta. Ele volta a casa e descobre que ela se matou. Fica então com a certeza de que tinha razão nas suas suspeitas. Muitos meses de luto amargurado depois, eis que recebe um telefonema da dona do mesmo bordel, que lhe anuncia que a mesma mulher com quem ele marcara o encontro já se encontra disponível para se encontrar com ele... E o filme termina assim, com um grande plano que espelha toda a perplexidade do marido mortalmente ciumento. Magistral.
    Um beijinho
    PS - Já sou seguidora (e convido-o a reciprocar)

    ResponderExcluir
  3. Que verdadeiro é isso! Após tantos sonhos, tantas juras trocadas, tantos projetos idealizados o ser humano não se contenta: tem de aprontar.
    Que vida horrorosa, quanta ausência de paz. Quanto tempo irá durar a vidinha da dona Cleuza? Que desnorteio essa criatura causou na vida do pobre homem. Por que não se separou? Seria mais digno. Mas 'Dona Cleuza' que o diga, sempre bem vestida né...
    Beleza de conto, mostra muito da desintegração moral do ser humano. Li num fôlego e ainda consegui ficar 'cabreira' com essa mulher... to comprando a briga do pobre Aristides!
    Linda a obra de Iberê. Mostra o desespero.
    Beijinhos, Pedro!

    ResponderExcluir
  4. Una preciosa entrada llena de matices y sentimientos encontrados.
    Un abrazo Pedro

    ResponderExcluir
  5. "Humano, demasiado Humano...", caro Pedro Luso - que me perdoe o Filósofo a citação...

    palavra a palavra, o conto é repassado de uma visão tolerante e compassiva da vida e da natureza humana, numa escrita de elevado nível.

    gosto muito.

    e não resisto à tentação, de num tom mais leve, para o que lhe peço licença, rezar uma oração que aqui, em Portugal, me dizem ser plenamente eficaz.

    Diz assim a "oração":

    "meu Deus fazei que nunca seja cornudo"/se o for que nunca o venha a saber/ se o souber que não me importe..."

    deixo-lhe um abraço. e peço desculpa pelo atrevimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é nenhum atrevimento, ao contrário, sua visita e seus comentários são sempre bem-vindos neste blog.
      Um abraço.

      Excluir
  6. Lindo dia!!!!!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  7. Prezado Pedro,
    além dos fatos, as palavras podem criar grandes problemas.
    Se o amigo ficasse em silêncio ...
    Abraço, boa semana!

    ResponderExcluir
  8. Pedro
    Conto humanista, o amigo de Aristides Borba, o quis prevenir da infidelidade. Depois do incidente, Cleusa não deixou de cuidar dele, embora não tendo prescindido das escapadelas.~
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Olá Pedro,

    Parece estranho que Aristides, mesmo após sofrer um enfarto depois que o amigo lhe comunicou a traição da mulher,continuou casado com a mesma, sem cogitar de uma separação. Isto leva a crer que ele já desconfiava da traição e não desejava a confirmação do fato. Por que ele ficaria preocupado com o telefonema do amigo, a ponto de perder o sono? Talvez tenha pressentido que ouviria o que não desejava. Há pessoas assim, que preferem viver enganadas do que enfrentar uma realidade indesejável. Por outro lado, penso que os amigos devem ter cautela antes de "meter a colher" na vida pessoal dos amigos casados, principalmente em caso de traição, pois o resultado poderá ser trágico. No caso de casais que ainda não selaram compromisso, entendo correto, para preservar os amigos.

    Ótimo conto, que me fez "viajar". Cheguei até a cogitar que o amigo de Aristides poderia ser o próprio vilão da história-rs.

    Abraço.


    ResponderExcluir
  10. Un texto con moraleja sobre la condición humana. A veces es mejor mantenerse en la ignorancia.
    Un saludo, Pedro.

    ResponderExcluir
  11. bem escrito, embora seja ficção, pode acontecer, como foi descrito.
    um beijo
    :)

    ResponderExcluir
  12. ¿Y si Cleuza, en realidad, iba a ver a su amiga? ¿Y si el "amigo" sólo quiso hacerle daño a Aristides, como cuando eran niños?

    Perdón, pero es que siempre me ha costado creer a esas voces caritativas que sólo cuentan maledicencias....

    ResponderExcluir
  13. Pedro, mais uma vez me encantou com sua narrativa. Na vida real, tenho que não se deve fazer esse tipo de declaração. Amizade também exige respeito e, se não se vai ajudar, não se deve infernizar a vida dos outros. Certamente, Aristides já desconfiava da traição e a aceitava, uma vez que ficou transtornado com a ligação do "amigo". Daí a continuidade de sua união . Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Cuitado do Aristides, eu não toleraria traições, a vida é realmente só uma, por isso quem não está bem deve seguir outro caminho e não continuar a enganar quem está ao seu lado.
    Bem descrito.
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  15. Putz, essa Cleusa!😀adorei o conto, o enredo ,aqui em Poa, Parque Farroupulha...
    Muito legal! Abraços ,tudo de bom!! Lindo fds chica

    ResponderExcluir
  16. A vida tem destas "crueldades".
    Um belo texto meu amigo de que gostei bastante de ler, é sempre um prazer.
    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  17. Se conformar com uma traição? Não, não dá. Não está dando mais certo, acabou o respeito, o amor já era? tchau e bênção.
    Agora a crônica foi ótima e envolvente, parabéns! Amei.
    abração,
    Léah

    ResponderExcluir
  18. As pessoas podem ser extremamente cruéis
    E essa Cleusa... E iguais a ela existem muitas por aí
    Um belo conto amigo Pedro
    Um abraço

    ResponderExcluir
  19. Gostei de ler este belo conto.
    É difícil aceitar traições.
    Bom fim de semana.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  20. Oi amigo, desculpe a ausência, aos poucos estou voltando.
    Te ofereço dois presentes, fique à vontade para pegá-los se quiser:
    http://arionetorres.blogspot.com.br/2016/02/o-jardim-da-vida.html

    http://cantinho-dos-baixinhos.blogspot.com.br/2016/02/pinturas-de-criancas-4-

    fevereiro.html

    Tenha uma excelente semana, abraços e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  21. No es más que la realidad humana...
    Muy bueno.
    Besitos

    ResponderExcluir
  22. Hay personas que solamente quieren hacer daño, tal vez esta sea una de ellas... pero queda la incertidumbre.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  23. Belo conto para reflexão sobre devemos ou não interferir na relação alheia, pois o que vai se fazer da informação é uma grande incógnita.
    Pensei que no fundo o proprio amigo completaria o trio.
    Abraços amigo e bom fim de semana de paz e luz.

    ResponderExcluir
  24. Texto bem escrito que prende o leitor. Traição nada bom. Parabéns pelo blog. Um abraço

    ResponderExcluir
  25. Interesante tema en el que siempre hay dos implicados. En mi larga vida, solo he sabido de casos en los que el protagonista de la deslealtad era siempre el hombre. Casos comprobados. Me hace gracia que quien escribe sobre las traiciones de las mujeres, siempre sean autores. La realidad que yo vivo es muy otra: siempre son los hombres casados -ya de mucha edad- los que andan a la "caza y captura" de alguna presa, si está viudad, mejor...menos complicaciones y sucede que muchas mujeres saben lo que están haciendo sus maridos y no les da ningún infarto porque, en el fondo, no quieren a ese hombre con el que se han casado, solo le soportan.

    Sé muy bien que usted escribe cuentos pero este es muy realista y esta es la causa de mi planteamiento, de dar mi opinión que no tiene ningún ánimo de polemizar. Saludos cordiales y espero con impaciencia su próximo cuento que siempre leo con gran interés.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Franziska,

      Os seus comentários são sempre motivos de alegria. Sinto-me confortável com as suas opiniões, pessoa afeita à literatura que você é. E, o que você externou agora, sobre “A traição”, de que se trata de um conto realista, é prova do que eu disse. Os seus comentários sempre serão bem-vindos.

      Abraços.

      Excluir
  26. Buenas tardes, Pedro, una gozada leerte, eso sí ya con mi traductor, jajaja.
    Buen fin de semana, un abrazo

    ResponderExcluir
  27. Olá, Pedro
    Um belo conto, muito bem escrito.
    Permito-me fazer uma pergunta: será que valeu a pena o amigo contar a "suposta" verdade?
    E será que era mesmo verdade? Ou será que Cleusa vai mesmo visitar uma amiga?
    Seja qual for a explicação... gostei de ler.
    ___________

    Muito obrigada pelos parabéns à minha "CASA".
    Um excelente fim de semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  28. OI PEDRO!
    MUITO BOM TEU CONTO.
    "AMIGO" DA ONÇA ESTE, NINGUÉM TEM O DIREITO DE FALAR ALGO TÃO GRAVE E SEM PROVAS.
    GOSTEI DA AMBIENTAÇÃO DE TEU CONTO EM NOSSA QUERIDA PORTO ALEGRE.
    ABRÇS

    http://. zilanicelia.blogspotcom.br/

    ResponderExcluir
  29. O dito amigo do Aristides não passa de "um amigo da onça"...lembra?
    Não deveria ter falado e o que estará fazendo sua própria mulher?
    Ufa! Que coisa!
    Beijos, Pedro!

    ResponderExcluir
  30. Un gran cuento... Muchas gracias.
    Te dejo un fortísimo abrazo.

    ResponderExcluir
  31. Pedro
    excelente escrita. E dúvidas pairam sobre nossas mentes sobre a traição. Aí podemos concluir, acrescentar, mudar o desfecho. A mentira causa revolta não é?
    a traição é sempre um tema interessante.
    abraços

    ResponderExcluir
  32. Sei o que sofrer uma traição assim.

    Também sei o desconforto que se sente quando se ouve #Tenho que falar contigo ".

    Bom domingo

    ResponderExcluir
  33. Si me pongo en la piel de Arístides, no aguantaría ni un minuto más al lado de Cleuza, vivir con la duda y la desconfianza no es vivir.
    Tanto en la amistad, como en el amor, las cosas cuando más claras mejor y la sinceridad debe ser la base de toda buena relación.
    Cariños y feliz domingo.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  34. Eu jamais teria coragem de contar a uma amiga a traição do marido...É cruel demais. Nem todos estão preparados para isto!

    Bjusssssssss

    ResponderExcluir
  35. Traições sempre rendem boas histórias...
    Gostei muito de ler, Pedro.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  36. Alguns "amigos" (os da onça...) têm um prazer perverso em dar más notícias. Neste case, se ele fosse mesmo amigo do Aristides, não teria falado com ele mas sim com a mulher, para que parasse de trair o amigo.
    O seu conto é magnífico, parabéns.
    Boa semana, caro amigo Pedro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  37. Olá Pedro.
    Assunto delicado é sobre traição, um assunto que eu jamais contaria ao um casal se soubesse algo assim, se fosse noivo etc,talvez fala-se, mas casados não. Não consigo entender como um ser humano é capaz de uma coisa assim, muito mais simples a separação. Eu já fui traída, soube da pior forma e ainda tive que demorar meses ate a separação convivendo na mesma casa, e o pior depois da separação nós tornamos amigos e com um ano voltamos e vivemos anos sem nenhum tipo de problema assim. Acho que no caso do seu conto, ele se acomodou, ou quem sabe também estava traindo rsrs. Uma abençoada noite para vocês.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO