>

29 de mai de 2016

[Conto] PEDRO LUSO – O Oficial de Justiça



  
      [ESPAÇO DO CONTO]

   O OFICIAL DE JUSTIÇA
       – PEDRO LUSO DE CARVALHO
  
O circunspeto Romualdo foi um bom oficial de justiça. Trabalhou por muitos anos sem um único deslize. Pessoa íntegra, no Forum conquistou o respeito dos juízes e dos servidores da Justiça. Certo dia saiu de casa para fazer uma citação a três quadras dali. Quando chegou, procurou pela campainha. Acionou-a uma única vez. A mulher que o atendeu era magra, cabelos em desalinho, e devia ter menos de trinta anos.
– Procuro pela senhora Mafalda.
– Pois não, senhor! Sou eu mesma.
O seu vestido vermelho, com ousado decote, fez com que Romualdo desviasse o olhar no momento em que lhe entregou o mandado de citação. Depois apanhou a contrafé, por ela assinada, e retirou-se, fazendo-lhe um tímido aceno com a cabeça,
 Passados dois dias, Romualdo recebeu um bilhete da mulher de vestido vermelho, convidando-o para um aperitivo em sua casa. Tornou a ler o bilhete para certificar-se se era a mesma mulher que citara dias atrás. Não havia dúvida, a letra era a mesma.
Uma semana depois, Romualdo recebeu um telefonema de Mafalda, que lhe disse, com voz rouca: “Ainda estou aguardando a sua resposta”. E renovou o seu convite.
– Eu sou um homem casado...
– Venha no final da tarde – disse, com firmeza.
Romualdo foi ao encontro de Mafalda, depois de concluir a última citação daquele dia. Os encontros nos finais de tarde tornaram-se rotineiros. Aos domingos, saia a passeio com a esposa e a filha.
Passados pouco mais de dois anos, Romualdo começava a sentir o peso da culpa. Não deixava de pensar na boa qualidade de vida que levava, antes de conhecer Mafalda.
Decidido a romper com o relacionamento, pediu à amante que o esperasse, no final da tarde. Quando chegou, foi direto ao assunto:
– Vamos ter que terminar com este caso – disse, sem olhar nos seus olhos.
Como não ouviu dela nenhuma resposta, saiu às pressas. Depois de ter permanecido sentada por algum tempo, o olhar fixo na porta, por onde Romualdo saiu, falou com voz embargada, no vazio da sala: “Se ele pensa que vai me abandonar engana-se”.  
Mafalda passou a telefonar todas as noites para a casa de Romualdo, por várias semanas. A esposa preocupava-se com esses telefonemas, e com o estado de prostração do marido, que no momento separava alguns mandados de citação, para o seu dia de trabalho.
– Um menino me entregou isto – disse a esposa, preocupada.
Romualdo esperou que ela saísse da sala para abrir o envelope. Reconheceu a letra de Mafalda. Um sentimento de desgraça deixou-o abatido. No bilhete, a amante dizia: “Vou contar tudo o que existiu entre nós à sua mulher”.
O oficial de justiça voltou a sentar-se, extenuado. Afastou os documentos que estavam sobre a mesa, e aí deixou o bilhete, com os rabiscos ameaçadores de Mafalda.
De repente, tomado de fúria, Romualdo saiu em direção à casa de Mafalda. Enquanto caminhava, segurava o revólver no bolso do paletó até deparar-se com a amante, momento em que sentiu a mão enrijecida e os contínuos repuxos da arma.
O tempo parecia ter parado para o oficial de justiça. Refazendo-se, Romualdo esfregou os olhos, como se estivesse acordando, e logo ouviu o seco estalido das algemas, apertando-lhe os punhos.


   *  *  *


39 comentários:

  1. Um conto que retrata o cotidiano de pessoas que mais cedo ou mais tarde irão se deparar com uma situação de tensão, de estresse, de arrependimento por se meterem em situações de risco. Sim, o pretenso amor se transforma facilmente em situações inesperadas. É impossível dar certo quando vivemos numa corda bamba onde aparecem diversas manobras para tentar burlar nossa mente, nossa visão e nossas atitudes num mundo que clama cada vez mais por paz e pelos bons costumes nas sociedades.
    É um conto tenso que nos leva a raciocinar se vale a pena começar algo por estradas tortuosas.
    Seu final poderia ser outro, talvez, mas este terminou de uma maneira trágica. Tão triste como tudo que começa mal.

    Beijinho daqui do lado!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Pedro.
    Caso para citar um provérbio: "no melhor pano cai a nódoa".
    A vida gosta de nos testar com suas ofertas generosas, pintadas em tons garridos que escondem tristes nuances de cinza. O ser-humano, mesmo o mais recto e experiente, gosta de se sentir "premiado" e a lisonja o leva a meter-se por becos, uns de uma maneira, outros de outra, e, quando quer recuar, pode ser tarde demais. Para piorar, quando não tem o discernimento necessário, a resolução acaba em tragédia.

    Moral da história: mais valia "estar quieto e manso" na sua vida de homem honrado em casa e no trabalho e não deixar cair o olhar para o lugar errado ;)

    abç amg

    ResponderExcluir
  3. Un relato profundo . La vida se complica con situaciones que, tal vez, se podrían evitar. Lamentable final .

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  4. Um conto que me prendeu, fiquei quase sem respirar pra ver o final...Gostei muito e tens o dom! Nem teve tempo suficiente de arrepender-se e explicar para a mulher, por quem torço, tenha feito o mesmo:aprontado pra ele,rs...Assim ele agora morto e ela vingada! Eu ainda gostaria de ter visto o fim da amante...SÓ! Sou bem "boaziiiiiinha"! abração,chica

    ResponderExcluir
  5. Boa noite Pedro
    Todo relacionamento que começa num impulso tende a deteriorar e neste conto contou o arrependimento pela traição culminando numa tragédia
    E quantos Romualdos caem em tentação. Mas nem todos tem um final tão trágico
    Um relato de uma vida cotidiana muito bem proseado
    Uma linda semana amigo Pedro
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. Histórias que a vida conta....quando a paixão, que nem era tanta,pois temperada com culpa e ódio de ambas as partes. Deu no que deu.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, Pedro. Demorou muito para se arrepender!
    Ninguém está livre de situações desse tipo, mas é preciso pensar na outra pessoa. Ele nem deveria ter-se deixado seduzir,foi fraco.
    Antes tivesse contado para a esposa do que dar um fim para a amante.
    Ele tinha o poder da escolha e fez a pior possível!
    Errou,confesse o erro e aguente as consequências.
    Certamente estava desesperado com medo de sua esposa o deixar.
    Ele estava ciente de tudo.
    Parabéns,adorei!
    Tenha uma excelente semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  8. Olá Pedro, que belo conto que prende o leitor e cria imagens e busca o desfecho, para uma situação do cotidiano.
    Muito bom amigo.
    Uma boa semana.
    Abraços de paz.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite Pedro.
    Um belo conto do que deve acontecer diariamente no dia a dia. Tudo o que começa em pecado sempre tem um alto preço a ser pago. Mulherada que são capazes de namorar homem casado e capaz de tudo. Uma bela furada um homem agir assim. Nunca acaba bem. Uma feliz semana. Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Belo conto de suspense, ele se era bem casado e amava a esposa, demorou muito tempo para sentir remorsos, dois anos é demais, o fim de um romance nem sempre é pacífico.
    Amei ler, tens talento para escrever contos, prende a atenção!Parabéns!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  11. Sempre speciali, e colmi di emozioni, i tuoi piacevoli articoli, Pedro
    Buon inizio di settimana e un sorriso,silvia

    ResponderExcluir
  12. Una interesante historia. Muchas gracias.

    ResponderExcluir
  13. Siempre igual, complicando la vida, cuando podría ser más bella de lo que es.
    Buen escrito, a pesar de su final.
    Feliz lunes Pedro Luso.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  14. Qué difícil es darle atmósfera a un relato, como usted ha sabido hacer tan bien.
    Recuerdo a Ozzy Osbourne en TV el día en que una presentadora Barbie, insinuándose con cruce de piernas y pestañeos, le soltó: “Usted ha estado con miles de mujeres, ¿verdad?”. Muy serio, el cantante de Kiss le contestó: “-Señorita, nunca empiece usted lo que no sea capaz de terminar”.
    Y eso mismo le pasó a Mafalda.

    ResponderExcluir
  15. Acredito que ele deveria ter contado tudo para a esposa e esperado a sentença pelo erro cometido. De qualquer forma a esposa tomou conhecimento do porquê do trágico final. Belo conto Pedro.

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  16. É um conto, Pedro, mas todos os dias acontecem tragédias dessas. Quando se opta por uma má decisão tem que se esperar pelas consequências. O homem do conto , quando se arrependeu do caso deveria ter contado à mulher, mas não teve coragem e escolheu a pior solução. Diálogo entre os casais é fundamental, mesmo quando um deles dá " uma escorregadela" . Se é uma relação estável, com certeza ambos entenderão e seguirão em frente. Há casos destes? Há sim e eu conheço. Não vou dizer que são muitos os que conheço até por que é um assunto que não não se fala para qualquer um, mas acrefito que haja sim.. Pedro, parabéns pelo conto Um beijinho e até sempre
    Emilia

    ResponderExcluir
  17. um belo conto, Pedro. há um certo clima de "realismo mágico"(?) de que sou decididamente fã.

    no caso do Romualdo mais lhe valera ir ver "passar os combóios"...

    abraço

    ResponderExcluir
  18. Caro Pedro um conto bem elaborado que gostei bastante.
    Até hoje isso acontece e sempre acontecerá, faz parte da fraqueza humana, da vaidade em se sentir desejado, mas tudo nesta vida tem um preço "não existe almoço grátis", e foi assim que o Romualdo pagou.
    Beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  19. Me gustan los cuentos bien contados. Como este.
    Afectuosos saludos.

    ResponderExcluir
  20. Excelente conto, com o tom e a respiração literária perfeita
    do suspense, acompanhado da pintura belíssima da Tarsila do Amaral.

    O amor como o mais sublime sentimento é sempre acompanhado
    da fidelidade. Outros sentimentos, porém, podem ser um percurso
    às vezes por caminhos perigosos que levem a desfechos trágicos,
    tão bem descrito no seu conto.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  21. Un racconto ben elaborato e molto interessante, complimenti all'autore Pedro. Un caro saluto di buona serata, Grazia

    ResponderExcluir
  22. Um conto muito bem escrito de uma situação que poderia ter sido evitada, mas a emoção muitas vezes supera a razão, infelizmente.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  23. Gran historia, impregnada de amor, infidelidad, arrepentimiento y drama.

    ResponderExcluir
  24. Abençoado dia!!!!!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  25. Gostei muito de ler, mas como o amigo sabe,
    a duplicidade acaba quase sempre mal.
    Dsejando que o amigo se encontre bem,
    deixo um abraço de amizade.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  26. La infidelidad, nunca conduce a nada bueno. En el mejor de los casos, se rompe la unión familiar y, aunque la consecuencia es dolorosa, es menor que si acaba en tragedia, como en el caso de Romualdo y Mafalda.
    De tu relato de hoy, se puede sacar una buena lección de vida.
    Cariños y buen fin de semana.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  27. Una historia estupenda la que cuentas. Las infidelidades parece que traen muy malas consecuencias cuando se da con personas que no aceptan que se termine la relación.
    El funcionario del tribunal, cogió la justicia por su mano y así le fue.
    Me gusto mucho.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  28. Há coisas que um homem casado não se deve fazer.
    A chantagem, apesar de ser das coisas mais torpes que há, é muito frequente. E por vezes acaba tudo muito mal...
    Um magnífico conto. Bem realista, de resto.
    Pedro, tem um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  29. Gracias por su comentario...me pregunta si mi nombre es el que ha descrito usted en su comentario...soy yo Marina Emerenciana ...
    Gracias por su visita...bonito blog
    Saludos

    ResponderExcluir
  30. Muy buena historia y muy parecida a la realidad. Besitos.

    ResponderExcluir
  31. Pedro
    Estamos perante um excelente contista, na senda de O. Henry, deixando sempre o desfecho para o leitor se debater.
    Adoro este género de policiarismo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  32. Hola Perdo, bien es cierto que quien mal anda mal acaba. Y este interesante relato se aproxima bastante a la realidad.
    gracias por compartir tus bellas e importantes letras, ha sido un placer leerte.

    Te dejo mi inmensa estima y gratitud.
    Un beso y ten un feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  33. Nem sempre os relacionamentos acabam bem.
    Muito bom o conto.

    Beijinho.

    ResponderExcluir

  34. Até parece que ouço a voz de minha querida avó:
    "Tudo que começa mau, termina mau."
    Excelente conto, prende o leitor... a pesar de ser "a vida como ela é".

    Bom fim de semana, amigo!
    Beijinhos.
    💕ه° ·.

    ResponderExcluir
  35. Una buena historia, Pedro Luso, con un enigmático final.
    Te felicito.

    ResponderExcluir
  36. Obrigado Pedro por me trazer até aqui e ainda pela visita ao simples espaço - Madrugadas.
    Gosto destas histórias que no fundo se baseiam em coisas reais.
    Aceite um abraço de amizade, carinho e respeito.

    ResponderExcluir
  37. Gostei desta história tão bem contada. Coisas do dia a dia. É caso para dizer que quem tudo quer tudo perde...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  38. Coisas de amantes!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  39. Hola Pedro un relato que bien puede ser y ocurrir en la vida real.
    quedar envuelto en la mentira y el engaño puede resultar atractivo, salir es complicado, sie,pre trae secuelas.
    Un buen relato.
    Un abrazo.
    Ambar

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO