>

11 de nov de 2017

(Poesia) PEDRO LUSO – A Noite





A NOITE
PEDRO LUSO DE CARVALHO




A janela do quarto,
na semiobscuridade,
bate repetidamente.

É o vento
trazendo lembranças
e fantasmas
das lonjuras do tempo.

Vento forte
quebrando a solidão
do bronze das estátuas,
esquecidas
nas praças desertas.

A cidade dorme
com suas feridas expostas.





*   *   *






55 comentários:

  1. Que pena eu assim seja: feridas beeeeeeeeem expostas! Linda poesia tão real! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Complimenti!
    Felice weekend.
    enrico

    ResponderExcluir
  3. Profundo!! Amei

    Bom fim de semana. Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Olá Pedro!
    Acabo de ler o seu último poema no blog da Tais! Gostei imenso e vim aqui e deparei-me com este poema. Uma beleza...e até o "vento trazendo lembranças e fantasmas" ou o "vento forte quebrando a solidão do bronze" são versos admiráveis.
    Um abraço.
    M. Emília

    ResponderExcluir
  5. Poema muito bonito. Sensível, profundo, focando o vento como mensagem lírica. Maravilhoso
    .
    [ Tema de hoje: ""Chegam as ondas, molhando o areal de esperança""]
    .
    Deixo cumprimentos poéticos e votos de um Sábado muito feliz.
    .

    ResponderExcluir
  6. Oi, Pedro, a nostálgica hora do crepúsculo...um aperto no peito e na alma.Seu lindo poema reflete bem essa sensação de saudade e finitude. Drummond disse "dessa hora tenho medo"
    Um abraço

    ResponderExcluir
  7. El viento en la noche tiene su propio lenguaje.
    Besicos

    ResponderExcluir
  8. Olá Pedro
    O silêncio na noite é sempre inspirador... (geralmente é de noite que escrevo) e quando as luzes acendem e a cidade adormece é bom deixar o pensamento voar!
    Um beijinho e bom fim de semana
    Teresa

    ResponderExcluir
  9. A noite entra em nós de modo diverso. Ou somos nós que entramos nela ora receosos, ora calmos. Para nos entendermos, escrevemos. E eu gostei de espreitar a noite da janela do teu quarto.
    Belo poema!
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  10. Stupende immagini della natura, espresse in versi delicati e di bella lettura
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  11. Dou-me conta, sim, da tristeza das praças à noite, do vento contornando a solidão das estátuas... e nas casas um bater de janelas!
    Lindo esse teu poema! Vê-se a ausência do sol, de crianças, de risos, apenas a lua. Mas a lua é triste, ilumina apenas o medo que também faz sua ronda.
    Perfeito retrato da solidão, do abandono das cidades, precisamente das praças.

    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  12. Noite e noites na semiobscuridade me trazem lembranças
    e fantasmas
    das lonjuras do tempo.

    Me toca profundamente, linda obra!

    Obrigada pelo carinho da visita, fica com Deus querido!

    ResponderExcluir
  13. la noche es el mejor espacio donde escribir poemas

    gracias por tu saludo
    ten un precioso fin de semana

    ResponderExcluir
  14. Venho desejar um domingo feliz e aproveitar para informar que este magnifico blogue foi linkado na lista de blogues a visitar, do meu.

    Abraço

    ResponderExcluir
  15. Leer sus poemas es reafirmarse en el triunfo de la individualidad.
    Sé que decir que uno es brasileño predispone a que los forasteros te vean como un presunto bailarín de capoeira, igual que a mí cuando se enteran por ahí de que soy española me animan a que baile flamenco. A la mayoría ni se les ocurre pensar que el individuo de una tierra festiva ame la lírica, los sonetos nostálgicos y la melancolía del Romanticismo, como en este último poema suyo tan evocador.
    Y que conste que una cosa no quita la otra, pero son compartimentos distintos.

    ResponderExcluir
  16. Olá Pedro!
    A solidão nocturna da cidade, bem captada pelo poeta.
    Que a luz do dia encha de vida, beleza e esperança a praça que vê do seu quarto.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. É à noite que os nossos fantasmas mais se fazem sentir.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  18. Muito bom. Passando para lhe desejar um excelente Domingo

    Bjos
    Paz e Amor

    ResponderExcluir
  19. Olá amigo, um belo poema que retrata a solidão da noite! Olhar a paisagem escura, tão escura quanto o coração triste e solitário. Amei!
    Tenha uma tarde feliz e um início de semana abençoado.Abraços

    ResponderExcluir
  20. Encantadores versos donde la visión lírica del poeta, capta el silencio y la soledad, simplemente en compañía de la música del viento.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  21. A noite. Os fantasmas. As feridas. O silêncio. O poeta a debruçar-se sobre as palavras. Como se tudo existisse dentro da noite...
    Muito belo, meu Amigo Pedro!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  22. Bello poema que recoge las angustias de la soledad en plenitud, estimado Pedro.

    ResponderExcluir
  23. Feliz semana. Un placer disfrutar de tus poemas.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  24. Há cidades assim
    que cabem quase inteiras
    numa frincha da janela
    Abraço

    ResponderExcluir
  25. gosto muito deste seu poema, Pedro

    de uma estética depurada que confere ao poema uma "eficácia" enorme!
    qual grito da noite, nas feridas abertas da cidade.

    forte abraço, meu caro amigo

    ResponderExcluir
  26. Os nossos fantasmas e a noite. Gostei muito deste seu poema. Pedro boa semana e beijos com carinho

    ResponderExcluir
  27. ¡Hermoso!
    Hay noches en que el viento o los ruidos no nos dejan dormir, en ellos los recuerdos aparecen y nos acompañan. Muy bien enfocado tu poema y esos momentos.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  28. A noite cobre tudo....


    Desejo boa semana

    ResponderExcluir
  29. A ferida exposta nos mostra os acontecimentos que acontecem na escuridão da noite enquanto a cidade está adormecida.
    Belo poema reflexivo Pedro.
    Bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  30. Muy hermosos estos versos sobre la noche y el viento. Es agradable sentir ambas cosas detrás de los cristales y siempre en soledad.
    Un abrazo amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  31. Boa noite, Pedro!!!
    Que bela poesia. "Vento forte
    quebrando a solidão", muito tocante.
    Um abraço!!!
    Paz e Luz!!!

    Anna Lírios em Letras

    ResponderExcluir
  32. La noche misteriosa y silente nos trae lejanos recuerdos.

    Abrazos.

    ResponderExcluir
  33. Oi Pedro!
    O vento que aqui retratas, levou-me a solidão das praças, desnudando-as na solidão das noites e do abandono que as caracteriza atualmente.
    Como sempre, um prazer ler-te.
    Abrçs

    ResponderExcluir
  34. Olá Pedro!
    Um belíssimo olhar noturno sobre o cotidiano de nossas cidades e a poesia que cada elemento carrega para os sentidos mais sensíveis e apurados. Muito lindo amigo e o final com chave de ouro fechou sua janela sobre a cidade adormecida e apodrecida.
    Belo trabalho amigo.
    Meu terno abraço e bom feriado e descanso.

    ResponderExcluir
  35. Mais uma tela admirável aliada a um poema sublime!
    Abraço

    ResponderExcluir
  36. O vento e a noite são fortes aliados para nos levar ao mundo das lembranças.
    Belíssimo poema.
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  37. La ciudad duerme
    con sus heridas expuestas..
    Versos que cierran bellamente un poema de profundo contenido
    Cordial saludo Pedro

    ResponderExcluir
  38. Na noite nos perdemos e nos encontramos, um belo trabalho poético amigo Pedro de que gostei bastante e a ilustração é fantástica.
    Continuação de boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  39. A noite sempre veio, impreterivelmente logo no fim do dia como manda a mãe natuteza; sempre chegou com a sua escuridão, tornando vazias as ruas, as praças e silenciosas as casas de todos nós; foi sempre assim e assim será, só que nem sempre ela chega, reparadora depois de um dia ruidoso passado nas cidades cada vez mais barulhentes; é nela que encontramos o silêncio, tão necessário ao nosso eu interior, ao nosso descanso mental, à reposição das energias gastas nas turbulêncis do dia a dia e, considero-a até uma bênção que a vida nos dá, mas, se para mim e para tantos ela é uma bênção, para tantos outros, infelizmente, ela é um tormento, uma tempestade de ventos raivosos, chuvadas e trovoadas soando tremendas nos seus pobres corações; há nesse silêncio, nesse escuro da noite, muita solidão, muito medo, muita fome, frio no coração e no corpo, um corpo que espera ansiosamente o amanhecer de um novo dia; Quem sabe, o sol não chega, não ilumina as praças e não aquece aqueles corpos frios de desespero, de desesperança que procuram alguém que as ajude a cicatrizar tantas feridas...algumas bem expostas? Quem sabe? Há sempre um dia que começa e de novo uma noite que chega.
    E a tua noite, Pedro, acompanhou-me no começo da minha, no seu silêncio, no seu conforto, no calor e no aconchego que nela encontro. Linda, a tua noite! Quisera eu, quiseras tu, que para todos as noites fosses assim!!! Obrigada, Pedro!
    Emilia

    ResponderExcluir
  40. A noite e os seus mistérios, meu caro amigo Pedro e a sensibilidade do poeta exposta nesta cronica poética. Este poema remeteu-me à "Noite", novela do nosso Erico!
    Um abraço. Tenhas um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  41. A cidade dorme
    com suas feridas expostas.

    Todas las ciudades guardan sus heridas, es la cruel realidad, y lo que hace soportable a la ciudad y a los sinsabores que aflije a sus habitantes es que a todos nos les toca sufrir al mismo tiempo porque de otro modo podría ser comparable con el infierno.

    Buen poema. Ha sido un placer y gracias por su visita y cálidas palabras. Un abrazo desde Alcalá de Henares para Brasil y su pueblo al que admiro sinceramente. Franziska

    ResponderExcluir
  42. La noche, siempre es la noche, cuando el sueño no aparece, la que nos hace reflexionar y pensar.
    Esa ventana que se bate repetidamente, el viento que nos trae recuerdos de un triste tiempo atrás, esas estatuas conmemorativas de acontecimientos vividos, con el paso de los años, siguen solas y olvidadas, ya nadie repara en ellas o no las quiere recordar.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  43. Boa noite, Pedro, belíssimo seu poema para nos falar da noite, da escuridão e solidão.
    A cidade finge que dorme, mas o vento acorda as estátuas de bonze que nos fazem lembrar um pouco da história que ficou em um tempo esquecido.....A cidade pode até dormir , mas suas feridas doem... Tenha um bom final de semana!

    ResponderExcluir
  44. O som do vento veio contudo e o poeta captou com precisão à mensagem. Linda poesia.
    Gostei imenso do que li. Estou seguindo seu blog.
    Abç de paz, deixo-vos!

    Diná

    ResponderExcluir
  45. Belíssimo poema que expressa os mistérios, os medos e a solidão da noite.
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  46. Querido amigo poeta sensível, a noite tudo fica mais sombrio, sentimos todos os medos e as solidões!
    Eu sou sensitiva, percebo todos os climas, nem sempre consigo expressar assim, com belos versos que aqui me deu imenso prazer de ler!
    Ah, a noite, ainda bem que há o amanhecer para nos fazer refletir, sentir, perceber, bem assim como percebestes as agonias das almas sofridas!
    Abraços bem apertados meu amigo poeta Pedro!

    ResponderExcluir
  47. Quando a noite cai na cidade... e tantas vezes... implica a ocorrência de mais feridas...
    Muita criminalidade, acontece também durante a noite...
    Um poema tão belo, quanto inquietante... pois toca fundo no cerne da questão...
    Um grande abraço! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  48. muchas gracias por pasar y comentar!tanto tiempo ha pasado...bellísima semblanza de la noche! es mi tiempo adorado! si por mi fuese,no me levantaría con el sol, simplemente,así, un abrazo fraterno
    lidia-la escriba
    www.nuncajamashablamos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  49. Oi Pedro
    A noite suscita lembranças dos fantasmas que moram no porão do nosso pensamento
    Que lindo!!!!!
    beijos de amizade

    ResponderExcluir
  50. Hola Pedro, bello poema nos regalas.
    La poesía es bálsamo para el alma.
    Un abrazo y feliz día.
    MA.
    El blog de MA.

    ResponderExcluir
  51. E são tantas as feridas expostas... Haverá um dia um bálsamo? Estamos todos desacreditados. Linda inspiração. Parabéns. Obrigada pela visita. Abraço, também em Tais.

    ResponderExcluir
  52. Ola caro amigo,muito,muito linda "A NOITE".Parabéns e meu grande abraço.SU

    ResponderExcluir
  53. Boa tarde Pedro.
    Um belíssimo poema. A noite e seus mistérios, onde as feridas as vezes sangram mais. Onde o silencio se faz presente, muitas vezes tornando assustador. Mas lhe confesso amo a noite, pois é no silencio da madrugada que encontro forcas para enfrentar os problemas do dia a dia. Um feliz final de semana para vocês. Beijos.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO