>

16 de jun de 2017

(Poesia) PEDRO LUSO – Soneto da penúria






SONETO DA PENÚRIA
PEDRO LUS- O DE CARVALHO



Na cidade há gente com fome,
mulheres e homens maltrapilhos
gente desconhecida, sem nome,
para a sociedade empecilhos.


Essa sofrida vida, que vemos,
nódoa que em nós está grudada
enreda para que a derrotemos
com nosso canto, nossa toada.

Não deixemos que a fome mate
gente à míngua de esperança,
ajuda seja nó que não desate.

Que não venham para enganar,
sempre fazem, habitual usança.
Fome, quer o faminto matar.



*  *  *



37 comentários:

  1. Excelente soneto. Um grito de denuncia feito poesia. Gostei muito.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderExcluir
  2. Un soneto que en verdad duele, cuántas penurias hay en este mundo.

    Abrazos.

    ResponderExcluir
  3. Intenso e lindo grito Belexa! abração,chica

    ResponderExcluir
  4. Intense osservazioni in questa bella lirica che ho molto apprezzato nella sua lettura
    Un saluto e buone vacanze, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  5. Olá Pedro, muito bom e perfeito seu soneto com toda carga do social, num mundo que cria seres invisíveis, porque eles ferem nossas vistas, poe exporem as mazelas de uma sociedade falida egoístas de olhos vendados. Que a fome seja saciada e que o frio seja aquecido para pelo menos a alma seguir em paz.
    Bonito trabalho de sua arte com sensibilidade para o critico de nossos dias.
    Meu terno abraço amigo e que a vida nos seja leve.
    Bom fim de semana para vocês.

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso! Amei
    Beijos. Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  7. Que injusto, mientas unos se mueren de hambre en tantas casas y países se vota la comida.
    Me da una tremenda rabia.
    Un abrazo grande y vamos por una vida mas justa y con mas solidaridad y amor.
    mar

    ResponderExcluir
  8. Bella la poesia importante l'insegnamento.
    Buon fine settimana, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  9. Meu amigo, infelizmente por todo o mundo há poucos com muito e muitos sem nada.
    Palavras sentidas e profundas num belo poema.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  10. Así es, todavía hay muchas necesidades de las que muchas veces ni somos concientes.
    Un feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  11. Impactante as tuas linhas, Pedro! E verdadeiras, oportunas.
    Beijinho e um bom domingo, amigo.

    ResponderExcluir
  12. No, Pedro, nunca han de callar las voces que denuncian. Como decía Horacio Guaraní: -Si se calla el cantor, calla la vida...

    ResponderExcluir
  13. Que parem de fazer de conta, assumam as responsabilidades e matem as domes do povo...abraços,chica

    ResponderExcluir
  14. Mais um poema a denunciar a vida dos que sofrem de fome e de falta de esperança. Este seu soneto é acutilante como um grito saído do coração, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  15. Muy verdaderas tus letras,

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  16. Eu gosto de poemas sociais, que desnudam a fome, a miséria, a tortura, a exploração... poemas que dizem algo, deixam marcados com o protesto do povo que clama e pouco é atendido. Acho que isso é uma obrigação das artes em geral, também da poesia, esclarecer, mostrar, escancarar o que chega a ser um escárnio.

    Beijinho daqui do gabinete ao lado.

    ResponderExcluir
  17. Todos os dias as mesmas noticias, o mesmo deboche, as mesmas mentiras, é essa agonia que você está gritando neste seu poema, falando por todos os brasileiros que pensam com clareza pelos que não se deixam levar como boiada.
    Amei.
    abraço, Léah

    ResponderExcluir
  18. Um grito de revolta e denuncia magnificamente posto em poema.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  19. Pedro:
    el hambre es la peor de la armas.
    Nadie debería pasar hambre en un mundo donde hay comida para todos.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  20. Pedro Luso
    Além de bem escolhido o alvo e bem ilustrado, ocorre-me o provérbio: "Coitados dos bem governados, se não fossem os mal governados". Está dicotomia tranquiliza as ricos, perante as misérias humanas do mundo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  21. E vamos lutando para quebrar as amarras. Tudo pelo social, pela erradicação da fome, da miséria. E a poesia pode ser um instrumento de luta. E não é só,, há muito mais luta a ser travada neste país.
    Forte abraço, meu caro Pedro!

    ResponderExcluir
  22. Hola Pedro. Hay mucho tipo de hambre y el ser humano se está devorando con ansia. El ansia de competir por ser y por tener. Arrasa, destruye todo lo que encuentra en su camino sin importarle mucho a quién daña. El hambre en todas sus fases podría ser erradicada; pero no interesa. Aún así yo no pierdo la esperanza. Todavía hay gente muy entregada para acabar con ella.
    Un saludo y gracias por su visita.

    ResponderExcluir
  23. Pois esta também é a minha luta.
    A fome não tem razão de ser, nela se constrói o capitalismo que só vive se houver gente sendo espoliada. Não tem outro jeito dele existir.
    Ahh, temos muito a lutar.

    abraço
    Lola

    ResponderExcluir
  24. Um poema em forma de alerta, muito interessante!
    Abraço

    ResponderExcluir
  25. OI PEDRO!
    QUANDO A FOME DO OUTRO, SERVE DE MOTIVO PARA VANTAGENS DE MUITOS.
    É AMIGO, TEMOS DE LUTAR.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  26. Leia no Google, amigo,
    A tragédia dos comuns,
    Porque já não há alguns.
    Há muitos. Por isso eu digo

    Que não existe inimigo,
    Existe irmãos aos jejuns.
    E nós, não vemos os "BOOMs"
    Do nascimento. O castigo

    É a tal proliferação
    Da raça humana em ação
    Como ratos, as ninhadas.

    Não quero crer em razão.
    Creio que as tragédias são
    Frutos das terras lotadas.


    Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  27. Linda quarta-feira!!!!!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  28. UN TEMA SOCIAL QUE TIENE MUCHA RELEVANCIA. EXCELENTE!!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  29. Versos de cunho social que enredam grandes verdades. Infelizmente Pedro é realidade inegável.
    Desejo um amanhecer leve com aroma de rosas.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  30. Olá Pedro!
    O poeta fazendo crítica poética, no seu melhor.
    Que as tuas palavras, extraordinariamente bem escolhidas, despertem consciências adormecidas.
    Que a vida deixe de ser sofrida.
    Que a fome deixe de matar.
    Que a esperança renasça.
    Lindo, amigo!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  31. Punzante tema social, Pedro.Das en el clavo con arte.

    Saludos australes.

    ResponderExcluir
  32. Boa tarde, Pedro
    enquanto governantes se preocupam, com projetos megalômanos com os quais faturam
    muito, os humildes, os mais sofridos, passam por todos os tipos de necessidades, morrem com o frio, morrem de fome, morrem nas filas dos hospitais, morrem em assaltos, morrem.....pois nos falta tudo, infelizmente. Os que usam a Arte para gritar contra toda esta barbárie ainda podem continuar na luta, enquanto esta não morrer também. Parabéns! Abraço!

    ResponderExcluir
  33. A realidade se escancara embora se queira acreditar...a miséria doas pessoas em suas histórias individuais é o retrato da miséria moral de uma nação...infelizmente somos todos responsáveis pelas diretrizes de nossa história pessoal ou coletiva.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  34. Enquanto os governantes enchem os seus bolsos com o dinheiro do povo a miséria se instala de norte a sul do país deixando o povo faminto e fazendo germinar em cada coração a miséria da emoção
    É uma aberração a realidade caótica do nosso país
    Um abraço e bom fim de semna

    ResponderExcluir
  35. Também quero que "a ajuda seja um nó que não desate".
    Porque a penúria bem precisa...
    Excelente soneto, parabéns.
    Bom fim de semana, caro Pedro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  36. Não demos tréguas! Que o gume da palavra faça ferida nas incongruências do mundo em que vivemos!
    Parabéns, Pedro.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  37. E no entanto... as clivagens entre as classes sociais, não param de aumentar...
    Mais de 90% da riqueza mundial... está nas mãos de bem menos do que 10% da população mundial...
    Estamos criando um mundo de penúria... não um mundo melhor... apesar de tanto progresso... só conseguiremos gerar retrocesso...
    A ambição, continua valendo mais do que a razão...
    Um belíssimo poema, que nos oferece muito, sobre o que reflectir!
    Abraço!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO