>

21 de fev de 2016

[Poesia] PEDRO LUSO – De volta à infância




  
    [ESPAÇO DA POESIA]


  DE VOLTA À INFÂNCIA
      – PEDRO LUSO DE CARVALHO



O tempo corre ávido, adiante
de minhas esperanças,
e me espreme entre os dias.

Bifurcam-se, ainda, estradas
em encruzilhadas de enganos,
com seus incertos destinos.
 
No meu desvario, à infância
hoje retorno, e deixo para trás
mágoas e dor, que sofri e causei.

Agora buscarei, em algum lugar,
o antigo brilho de meus olhos,
que estão perdidos no tempo.

É meu desejo sentir o doce perfume
de macieiras em flor; de ouvir o cântico
das águas, a correr entre os arbustos.

Hoje, não sou mais aquele homem soturno,
sou o menino acolhido por sua antiga árvore,
que o protegerá  dos rigores do sol e da chuva.


*  *  *



38 comentários:

  1. Linda a sua poesia e verdadeira!
    Que bom seria trazer de novo o antigo brilho de nosso olhar!
    Desejo-lhe uma semana na paz de Cristo, meu amigo.*
    Meu beijo e um abraço fraterno!

    ResponderExcluir
  2. Voltar à infância. Recuperar toda a inocência que a vida nos foi roubando e olhar tudo pela vertente mais bela...
    Muito belo o seu poema.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Voltar à infância sem os algozes da vida adulta é viver momentos de serenidade que trazem ternura ao coração
    Que linda poesia amigo Pedro
    Um dia feliz e abençoado
    Um beijo no coração

    ResponderExcluir
  4. Meu caro dr Pedro, e estou eu aqui diante de mais uma bela obra sua...eu estou nela, o começo tão realista, o que vivo, vivemos sob as ordens do tempo, nossos dias doloridos, trabalhosos, problemas, o mundo pegando fogo e nós vivendo este tempo louco, mas nosso tempo...o que nos resta então? precisamos de folêgo para sobreviver, e nos ensinda onde buscar esta força perdida dentro de nós, na nossa infância: "É meu desejo sentir o doce perfume de macieiras em flor; de ouvir o cânticodas águas, a correr entre os arbustos."
    E o gran finale, em que realmente estou, ou se estivesse me sentiria protegindo, sob a sombra de uma árvore. Sempre bom demais entrar em seu mundo poético dr Pedro.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  5. Estou a tentar visitar todos os seguidores do Peregrino E Servo, e verifiquei que eu estava a seguir sem foto, por motivo de uma acção do google, tive de voltar a seguir, com outra foto. Aproveito para deixar um fraterno abraço.
    António Jesus Batalha.

    ResponderExcluir
  6. Um retorno à ternura, a despeito do tempo.
    Lindo poema.
    Beijo*

    ResponderExcluir
  7. Reviver a paz, o desprendimento e as alegrias simples da infância,
    permite-nos refazer o brilho do olhar vibrante da criança que cresceu,
    mas que ocasionalmente habita decididamente em nós, contra a soturnidade
    dos dias.
    Belo poema, Pedro.
    Boa semana.
    xx

    ResponderExcluir
  8. No dejes de seguir cogido al árbol como un niño y sé feliz.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  9. ¡Hola Pedro!!!

    Perdona mi demora, no es por mi gusto, son estas temporadas de la vida que a penas me dejan tiempo libre para visitar mis blog amigos.

    Es bueno y saludable mira al pasado para caminar hacia el futuro. es preciosa tu poesía! Recordando la niñez, y ese bendito árbol que nos dio la vida y que a todos, unos más y otros menos, nos ha costado desprendernos, sus ramas tiernas nos enseñaron muchas cosas, a caminar a comer a calzarnos a vestirnos a valernos por notros mismos, abriéndonos caminos para ser personas al día de hoy.

    Ha sido un inmenso placer. Te dejo un abrazo, mi estima y gratitud.
    Se muy feliz.

    ResponderExcluir
  10. nada que apague os "rios da infância"
    onde se volta sempre - como bálsamo.

    belo poema

    abraço

    ResponderExcluir
  11. Sabes por que voltamos sempre à infância? Por mais que possamos trazer à mente certas lembranças, às vezes não tão boas, mesmo assim lembraremos dos momentos em que fomos muito felizes. Ainda não tínhamos a consciência do mundo dos adultos - ríspido e difícil. Tínhamos fantasias, sonhos e a ingenuidade de criança.
    Poesia um pouco triste, mas bela pela sua verdade. Sempre haverá tempos de descobertas.

    Um beijinho daqui do lado...

    ResponderExcluir
  12. Linda poesia! Como é bom lembrar da nossa infância!...
    UM abraço,
    Élys.

    ResponderExcluir
  13. Qué bien entiendo el sumergirse en la infancia a la vista de un árbol.
    Cuando todo era tan fácil como saltar a esa rama y columpiarse, sin pensar en culpa ni temores, protegido por él…

    ResponderExcluir
  14. De vez en cuando deberíamos regresar a la infancia para volvernos a llenar de inocencia.
    Saludos

    ResponderExcluir
  15. Poesia maravilhosa com a magia da infância...parabéns pela lindíssima inspiração!

    ResponderExcluir
  16. Todo Poeta guarda dentro dele mesmo,
    o caminho das palavras que viajam
    na sua linha de tempo: passado, presente e futuro!...
    Muito belo o Poema!!
    Boa semana, Pedro!

    ResponderExcluir
  17. POESÍA MUY EVOCADORA.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  18. Que maravilha, belo poema meu amigo, gostei bastante.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderExcluir
  19. Muito bonito em forma inspirada e sublime para os nossos olhos! Bonita também essa tela!
    Abraço

    ResponderExcluir
  20. Lindo poema, trás com ele a magia da infância. Gostei muito!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  21. Como é bom recordar tempos passados...sendo bons, pq os maus momentos temos que os tirar do pensamento...assim fica tudo muito melhor...
    Foi belo ler este momento de poesia,assim como as outras que li com agrado
    Bjo

    ResponderExcluir
  22. Preciosa imagen y un hermoso poema.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  23. Caro Pedro linda e nostálgica sua poesia. Muitas vezes temos desejos de voltar a infância, mas esquecemos que a vida nunca é em tempo algum o tapete de flores que desejamos. Sonhos são sonhos e foram eles que o levou a este belo poema, que você compartilhou e que agradeço.
    Parabéns e grande abraço,
    Léah

    ResponderExcluir
  24. Que nunca se vaya nuestro corazón de niños, en él está la felicidad.

    Abrazos.

    ResponderExcluir
  25. OI PEDRO!
    ASSIM PUDÉSSEMOS, COMO EM TUA POESIA, RESGATARMOS A CRIANÇA QUE FOMOS.
    LINDA E TOCANTE.
    ABRÇS
    -
    http://. zilanicelia.blogspotcom.br/

    ResponderExcluir
  26. Olá Pedro,

    Em meio às turbulências da vida, retornar à infância é buscar a força do entusiasmo e da alegria que encantavam nossos dias de sonhos e de esperanças.
    Belíssimo seu poema.
    A tela é linda.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  27. É bom podermos voltar à infância, ao menos em poemas assim tão ternos como o seu...

    Bom fim de semana

    ResponderExcluir
  28. Não havia apenas sorrisos lá atrás, mas tudo era espontâneo e cristalino. Talvez, por isso, quando revisitamos o passado, recuperamos, mais uma vez, as sensações que tanto bem nos faziam. Belíssimos versos! Abraço.

    ResponderExcluir
  29. Que bello poema, Pedro.
    Siempre volvemos a la infancia intentado rescatar su belleza.
    De alguna manera nuestra memoria es selectiva en cualquier etapa de la vida y tendemos a recordar lo bueno.
    Un saludo.

    ResponderExcluir
  30. Pedro, aplaudindo daqui! Que beleza de poesia e sensibilidade! Lindo ir à infância e saber dela voltar, trazendo nosso melhor! Valeu! abraços,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  31. Está en la infancia el lugar paraíso, la raíz en que se asienta nuestra vida y su añoranza será siempre nuestra. Bello poema. Saludos cordiales. Franziska

    ResponderExcluir
  32. Que lindo, amei seu belo poema, a infância bem recordada nos dá isso, linda inspiração!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  33. Olá Pedro.
    É meu amigo, estou lendo as suas postagens que eu ainda não li, gosto muito das suas poesias, essa poesia é linda. Infância, tempo de alegria, de inocência, pais presente e amorosos, sem os problemas de uma vida adulta, onde se perde um pouco do encanto de achar tudo colorido rsrs. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  34. E quem não tem saudade da infância, aquela redoma de atenção, proteção e carinho?
    Hoje, a responsabilidade pesa, mas, faz parte de nossa evolução.
    Abraços, Pedro!

    ResponderExcluir
  35. Boa noite, Pedro, quanta coisa deixamos no caminho da nossa infância?
    Se buscarmos com atenção, nossos olhos mostrarão a enorme saudade que está por lá escondida, tempo de inocência, tempo bom, perfume das flores, aroma das frutas. Seu poema é lindo , pois nos conta em detalhes o tempo da infância, merece a melhor nota, porque é difícil relatar fatos da vida e ainda colocá-los em versos para que forme um poema. E veio a saudade!Abraço!

    ResponderExcluir
  36. um poema pleno de memórias e saudades da infância.
    muito belo
    um beijo
    :)

    ResponderExcluir
  37. ¡Precioso poema! y muchas gracias por la visita a nuestro blog.Ya hemos puesto la plataformaa de seguidores de bloger. Un saludo

    ResponderExcluir
  38. O retorno à inocência dos dias de infância lava a alma da gente.
    Bonito poema.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO