>

9 de mai de 2016

[Poesia] PEDRO LUSO – Uma trégua







[ESPAÇO DA POESIA]



UMA TRÉGUA

– PEDRO LUSO DE CARVALHO




Deixo esvair-se em mim
toda energia,   
cessar da ação o ardor.

Trégua aos tensos músculos
nessa luta,
clamando por paz.

Que possa eu a paz merecer,
repouso do espírito,
até o retorno à barbárie.

Volto ao império dos músculos,
espírito vencido,
soldado de guerra perdida. 
 

 


*  *  *






34 comentários:

  1. Na vida, creio que é sempre necessário vez por outra uma trégua.
    Gostei muito da poesia...
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
  2. Por todo o lado há acontecimentos de tanta barbárie que nos parecem pesadelos; perante eles, abrimos e fechamos os olhos, abanamos a cabeça querendo acordar dessa visão que nos custa a aceitar, a acreditar; mas não adianta...acordados já estamos nós e o que vemos, o que ouvimos, o que sentimos não é sonho e muito menos pesadelo; é a triste realidadem Pedro! É uma luta constante que travamos dentro de nós, luta entre o não querer ver e o ter que ver, entre o não querer ouvir e o sentir que é nossa obrigação entrar na guerra , por mais impotentes que nos sintamos. Temos plena consciência de que pouco oh nada podemos fazer nessas terriveis e diferentes guerras que se travam por todo o mundo, numas usando-se misseis, noutras o vil metal e em muitas outras, naquelas bem perto de nós, a indiferença, a falta de respeito, o desprezo por aqueles que dormem nas ruas e não têm um pão para comer nem um farrapo para os cobrir. Guerras que acabam por perturbar as pessoas com o minimo de sensibilidade e se queremos ter a tal " paz de espirito", se queremos merecê-la não podemos tapar os olhos; temos que nos envolver na luta, mesmo que depois tenhamos que aceitar que fomos " soldados de uma guerra perdida"
    Amigo, senti neste poema um cansaço de tantas guerras, vividas ai, aqui e em cada canto deste mundo global, mas, o que mais importa é que , por falta de solidariedade, por falta de respeito e amor ao próximo , não tenhamos de vencerer uma terrivel guerra, a que se travarå dentro de nós mesmos, com a nossa consciência. Como sempre, fantástico! Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  3. Pedro poeta linda poesia. Entendo que nas nossas vidas de brasileiros prevalece e prevalecerá 'Ad aeternum' nos sentirmos como 'soldados de guerra perdida,' por isso é tão necessário dar um tempo e ansiar pela sonhada paz.
    Beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  4. Todos necesitamos una tregua de vez en cuando. UN bello poema.
    Besos

    ResponderExcluir
  5. Amigo poeta Pedro, nossa, amei esses versos, tem hora que dá uma prostração que a única coisa a fazer é dar uma trégua, pois "espírito vencido" não consegue dar nenhuma continuação a nada, portanto que seja uma trégua curta, do contrário pode se estagnar!
    Abraços bem apertados, obrigada pelo carinho da visita e comentário por lá, no meu espaço!

    ResponderExcluir
  6. Oi Pedro,
    Trégua se faz necessário ao ser humano.
    Eu gostaria de ter uma trégua viajando sem olhar para o computador.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  7. Un bello poema que he disfrutado, gracias por compartir
    Un abrazo
    Carmen

    ResponderExcluir
  8. Comentei este teu poema, Pedro. Disso tenho a certeza, mas não tenho nenhuma no que diz respeito à publicação É que sou bastante "nódoa" nestas coisas de informática e não estranharia nada se tivesse feito alguma asneira. Bem... vou aguardar!!! Bjo
    Emilia

    ResponderExcluir
  9. Olá Pedro
    Na vida precisamos de uma trégua para revitalizar as energias e prepararmo-nos para as próximas batalhas
    Parabéns amigo por mais este maravilhoso poema
    Um abraço

    ResponderExcluir
  10. Poema forte e muito bonito justamente pela força que tem. Mas o triste é que a trégua, a paz dura sempre menos do que as barbáries, os desencontros, as frustrações, as tristezas, a melancolia, as guerras... Parece que nascemos para sermos testados e conforme nosso andar, seremos premiados em determinado período da vida: às vezes conseguimos a paz mais cedo; outras, só no final...E também, existem àqueles que nunca a conhecerão.

    Beijinho, daqui do lado!

    ResponderExcluir
  11. Ola Pedro, o mais bravo de destemido dos guerreiros
    pede trégua, recolhe-se e volta mais forte. Nossas vidas
    passam por igual processo, naquela linda do recuar para avançar
    nesta eterna e longa jornada noite a dentro como diria Gullar.
    Uma semana de alegria e sucessis amigo
    Meu terno abraço de paz e luz.

    ResponderExcluir
  12. Estrofas de trinchera, a veces con machete, otras en reposo.
    El viento agita las velas, marino que diría adiós al combate… zozobra envolvente que no se lo permite. Nace un poema

    Desde el faro de Calella.

    ResponderExcluir
  13. Dopo tanto stress e tanta guerra, lo spirito cerca la sospirata pace. Versi molto apprezzati. Un caro saluto amico Pedro, Grazia

    ResponderExcluir
  14. É nesse intervalo que precisamos da trégua para recuperar as energias perdidas. Duro é saber que talvez nunca possamos dormir apaziguados.
    Forte abraço, poeta!

    ResponderExcluir
  15. Excelente homenaje a la PAZ, Pedro.

    La paz, la Solidaridad, el respeto
    por el Otro, deben ser nuestras prioridades.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  16. Se te permite un descanso, pero no podemos dejar de luchar por esa PAZ tan deseada y merecida.
    Siempre es un placer leer tus letras tanto en prosa como en verso.
    Cariños y buena semana.
    kasioles

    ResponderExcluir
  17. UN BELLO POEMA, LLENO DE SIGNIFICADOS.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  18. Es una pena que no pueda leer el poema en el idioma original. Lo traduzco y entiendo el sentido pero quizá no la musicalidad de las palabras. Algún día aprenderé portugués.
    Recibe abrazos.

    ResponderExcluir
  19. O cenário anda tenso ultimamente e alguns ânimos acirrados. Paz é do que mais precisamos.

    abraços/tudo de bom!

    ResponderExcluir
  20. me pasa como antonia al traducirlo pierde musicalidad. un besito

    ResponderExcluir
  21. Existem dias assim, tão bem descritos no seu poema,
    o desejo de respirar a paz e ser vestida por ela.

    A pintura belíssima no acompanhamento do seu excelente poema.

    Abraço, Pedro.

    ResponderExcluir
  22. OI PEDRO!
    HÁ MOMENTOS EM QUE ANSIAMOS POR PAZ, PEDIMOS TRÉGUA E NOS ENTREGAMOS COMO GUERREIROS VENCIDOS, PARA LOGO DEPOIS REAGIRMOS POIS, É ASSIM QUE TEM DE SER.
    ABRÇS, AMIGO.

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Bello poema, ansiada tregua siempre tan mínima comparado a los tiempos de guerra que en la vida ha sido imparable
    Cordial abrazo

    ResponderExcluir
  24. quero acreditar que seja apenas uma "batalha perdida", não a guerra.
    mas existe na verdade, esta regressão ao "império dos músculos".

    ainda não se chega ao ponto de se clamar "morte à inteligência", mas amargura, sim. muito...

    excelente, Pedro.

    forte (e solidário) abraço

    ResponderExcluir
  25. Interesante poema, Pedro.

    La vida tiene sus momentos de paz y de lucha, no habremos de agobiarnos.
    Como tú ben dices, una tregua es imprescindible.
    Gracias por tu buen hacer y por tu huella.

    Te dejo un beso y toda mi estima.
    Se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  26. Faz-nos falta essa paz de espírito...é essencial à nossa mente e à nossa alma...
    Belo poema como sempre...
    Bjo e uma continuação de um bom fim de semana meu amigo Pedro

    ResponderExcluir
  27. Hola Pedro.
    La paz en tus versos, la paz en el alma, la paz en la vida...Serenidad.
    Feliz finde. Un abrazo.

    ResponderExcluir
  28. Meu caro, que encontre essa paz e ela permaneça em sua vida !


    bom fim de semana :)

    ResponderExcluir
  29. Boa noite, Pedro.
    Criou lindamente um poema ansiando por paz, e certamente a merece.
    Vivo a minha vida inteira nessa busca.
    Quando ela se esvai de mim deixando os meus músculos tensos, usando suas palavras, é ruim demais.
    Não posso, não podemos viver sem ela.
    Tudo de bom e parabéns pela criação.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  30. Oi amigo, vim lhe desejar uma ótima semana, abraços e fique com Deus!!!

    ResponderExcluir
  31. Boa noite Pedro.
    Recuar, da uma trégua as vezes é uma decisão bem acertada. Para receber forças para continuar a luta. Um poema bem forte. Não podemos perder a paz. Ela é uma das armas mais forte diante de uma luta. Eu leio a postagem e aos comentários feitos. É o da Tais foi também bem forte. Muita verdade. Uma linda semana a voces. Beijos.

    ResponderExcluir
  32. É quando nos entendemos a nós mesmos que precisamos de nos aceitar tal como somos... Um belo poema.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  33. Oi Pedro!
    Por vezes necessitamos nos recolher profundamente!
    Nesse recolher possivelmente encontraremos suavidade e clareza para que possamos encarar "as batalhas" que nos são apresentadas.
    Feliz semana!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  34. por vezes precisamos de tréguas, para melhor nos entendermos...

    saudações poéticas

    :)

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO