>

21 de ago de 2016

[Crônica] PEDRO LUSO – Talento perdido




  
TALENTO PERDIDO
PEDRO LUSO DE CARVALHO


Como vem se repetindo há anos, sempre que os políticos se mexem para escolher os seus candidatos à presidência da República vem-me à lembrança o feito daquele amigo extrovertido e carismático, que meteu na cabeça que poderia voar.
Em pouco tempo, ele me convenceu de que o seu projeto de voar daria certo. Eu e alguns amigos ficamos convencidos que ele iria realizar a proeza de voar, com as asas que ele mesmo havia construído, e que pretendia patenteá-las.
Embora eu tivesse sido convencido, por força da sua capacidade de persuasão, de que não seria difícil para ele voar, arrisquei-me aconselhá-lo a candidatar-se a vereador. Ele argumentou que voar daria menos trabalho.
Certo dia, ele combinou encontrar-se comigo e mais três amigos para falar de seu voo. “Vai ser na próxima segunda-feira”, afirmou. Saltaria de um edifício de vinte andares, no centro da cidade. Nesse dia, lá estávamos para presenciar o feito do amigo.
Escolhemos um prédio alto, que ficava em frente ao edifício escolhido por ele para empreender o seu voo. Ficamos, meus amigos e eu, no terraço, acima do vigésimo andar, ao lado das duas caixas de água do prédio.
De repente nosso amigo surgiu no terraço do prédio em frente ao que estávamos, também acima do vigésimo andar, com duas asas enormes presas nos seus braços, estampando no rosto avermelhado um largo sorriso.
Ele então acenou para nós, numa espécie de aviso de que iria voar, e depois foi até os fundos do terraço, de onde voltou correndo até a beira do prédio e saltou com as asas abertas para o voo, quando vimos seu corpo projetar-se no espaço vazio.
Eu fiquei ali, no alto do edifício, com meus três amigos, com medo de olhar lá para baixo. Lembro-me apenas de ter dito a eles que o nosso falecido amigo bem que poderia ter escolhido a política, pois para isso talento não lhe faltava.

*    *    *


36 comentários:

  1. Pedro Luso
    O seu amigo bem que podia ter escolhido a política. Porém preferiu a heroicidade rápida - "morre o bicho, fique a fama"!
    Veja e comente o post
    MINAS GERAIS - BANDEIRANTES
    http://amornaguerra.blogspot.pt/
    BRASIL: SORRISO DE DEUS.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Uma crónica excelente! Realmente esse amigo poderia ser político pela capacidade de iludir alguém... Quanto às asas, é sempre o mesmo fascínio da fantasia...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. A veces los sueños nos salen caros, Me gustó tu escrito.
    Saludos veraniegos.

    ResponderExcluir
  4. Hola, Pedro. Una visita veraniega.
    Su amigo erró en captar cuál era su verdadero talento, que no era el de inventor, sino el de la oratoria. Aún así, merece un gran respeto. Creyó en lo que hacía, se responsabilizó y lo llevó a cabo.
    Y ahí se comprueba que no estaba dotado para la política, que hoy significa todo lo contrario en la mayoría de casos: Prometer algo que ilusione para conseguir el voto, pero sin pensar en cumplirlo.
    Saludos

    ResponderExcluir
  5. É, sem dúvida mais um equívoco do homem e sua vontade de liberdade. Há maior liberdade do que nos pássaros?
    Bem, o que me levou a pensar nessa tua crônica, muito bem construída, foi a fato de quem deveria voar realmente, tentar essa liberdade tão almejada, seriam nossos políticos! Cada um com sua asinha verde-amarela, pelos céus dessa imensidão que se chama Brasil...

    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom dr Pedro, não sabia se chorava ou ria do feito, mas bem lembrado, estamos entrando de novo n aquele período em que o convencimento é tudo, não precisa ser verdade, mas poder de persuasão com este heroico ou louco amigo...olhei para cima e vi o comentário da blogueira Tais e não pude evitar o riso, que tal darmos estas asas para nossos políticos. Sempre um imenso prazer ler por aqui dr Pedro, um texto engraçado, meio triste e muito inteligente.
    ps. Carinho respeito e abraço.
    ps2. Fiquei feliz demais com sua visita e comentário no meu blog, obrigado.

    ResponderExcluir
  7. Uno cree que por llevar alas no se la va a pegar, pero la realidad es que las alas no sirven si no llevan un doble seguro, así es la verdad de las personas que llevan cargos sin seguridad.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  8. Hola Pedro.
    Un escrito excelente, lo he leido traducido claro.Se puede decir que el buen hombre saltó a la fama, pero de una manera imprudente pues le costó la vida. Si se hubiera dedicado a la política quizás vivría acomodado en un sillón.
    Feliz semana.
    Obrigada pr sus visitas a mi blog
    Um abraço, Montserrat

    ResponderExcluir
  9. Olá Pedro ri de sua ironia de que seria melhor se candidatar a político,e fiquei horrorizada com a loucura de seu falecido amigo.
    Seria ótimo asas como estas serem oferecidas a Dilma já que ela quer tanto voar pelo pais e sairia gritando -Foi golpe, foi golpe...-
    Gostei demais de ler sua crônica tragicômica, ótima.
    Abração, Léah

    ResponderExcluir
  10. Bom dia meu amigo!
    Passei aqui neste rico cantinho onde se lê com muito prazer!
    As suas histórias têm com elas a realidade, mas com um pouco de sarcasmo à mistura, que dá num combinado de frases muito interessantes, com seu humor, que as torna muito agradáveis de ler! Parabéns amigo, é sempre um prazer ler seus escritos! Um Abraço Fraterno. Beijo no seu coração! Fique na Paz do Senhor. Josélia

    ResponderExcluir
  11. Pedro,

    Que crônica excelente, percorrendo pelo surreal,
    uma narrativa com a ironia que deixa a leitura
    muito agradável.

    O talento deste seu amigo, eu não sei não!
    Agora o seu talento literário é evidente!...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Boa noite Pedro.
    Seu falecido amigo, tinha realmente a capacidade de ser politico, pouco se importando pelas consequências dos seus atos, apenas querendo voar para o alto, infelizmente cada ação tem uma reação e o suicídio é o pior caminho a ser seguindo. Antes mesmo ele entrasse na politica que acaba a vida dos outros mais poupa a deles rsrs. Nem sei qual é o pior rsrs. Uma linda semana para vocês. Como sempre excelente cronica. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  13. Que pena ! seria um excelente político, pois com uma ideia estapafúrdia conseguiu três companheiros, imagine se tivesse uma ideia pelo menos viável...
    Bela metáfora.
    um abraço

    ResponderExcluir
  14. Excelente crónica, Pedro, que nos põe de sobreaviso acerca dos lunáticos.

    de facto, as ilusões são bem mais perigosas que as metáforas rss

    forte abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
  15. Quanto ao talento do seu amigo tenho minhas dúvidas. Um lunático, sonhador
    Como político poderia ter dado certo pois tinha sonhos grandes e não media as consequências para tentar lograr-se vencedor no que se propunha
    O teu talento para a literária é soberbo meu amigo
    Um abraço

    ResponderExcluir
  16. OI PEDRO!
    ÓTIMA CRÔNICA EMBORA,UM AMIGO A MENOS E OLHA QUE SERIA UM ÓTIMO POLÍTICO, POIS SE CONSEGUIU CONVENCER PESSOAS QUE O CONHECIAM, IMAGINA SÓ, ELEITORES RSRSRS
    MUITO BOA MESMO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Ohhhhh mirando los juegos olímpicos en tu país se veían los grandes contrastes, así como en casi todos los lugares. Lo bueno y bonito para algunos y para otros el trato peor que animales.
    Yo doy la pelea por la justicia e igualdad, no soporto el egoísmo y la poca sensibilidad de alguna gente.
    Mis cariños para ti y para este mundo lo mejor, lejos de la política y más cerca a la evolución del ser interior.
    mar

    ResponderExcluir
  18. A pesar de lo trágico del caso me ha hecho reír. ¡¡A quien se le ocurre hacerse unas alas...?
    Dios solo les permitió volar a las aves, nosotros estamos bien con dos hermosas piernas para caminar y dos brazos por si tropezamos.
    Muy simpático tu relato Pedro.
    Un abrazo desde Madrid.

    ResponderExcluir
  19. um sonho que não daria certo pois voar é próprio dos pássaros mas, este voo e estas asas podia ser outra maneira de voar pois se até Frida Kahlo dizia : Pés, para que os quero, se tenho asas para voar?
    confesso que o fim desta crónica me surpreendeu.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  20. Teve uma ideia genial, convenhamos; decidiu pôr termo à vida mas com a companhia dos amigos; dizem que se deve evitar que uma pessoa morra sozinho e por isso os hospitais chamam um parente quando alguém está para morrer. Esse quis uma morte "em grande", mostrando a todos que voar, só em sonhos. Interessante esta cronica, Pedro, mas.... foi melhor não se ter candidatado a politico, pois lunáticos já temos de sobra. Beijinhos e fica bem.
    Emilia

    ResponderExcluir
  21. Capacidade de persuasão é o forte dos políticos, pois mentem com tanta convicção que até eles próprios acreditam.
    Um magnífico conto, meu amigo, gostei imenso.
    Pedro, tem um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neste comentário do amigo Jaime, de Portugal, aproveito para responder a uma pergunta do estudante de Letras, da Universidade Federal, RS.

      Pergunta se "Talento perdido" é conto, um dos gêneros da Literatura, ou se é crônica, já que abaixo da pintura está escrito "Espaço da Crônica".

      Respondo: "Talento perdido" é crônica.

      Um abraço.

      Excluir
  22. Bacana o seu blog, e a crônica é bastante propícia aos dias em que estamos vivendo.

    Um excelente fim de semana para você, abraço.

    ResponderExcluir
  23. Ainda bem que o poder de persuasão, não convenceu os amigos a saltar. Como fazem os políticos.

    ResponderExcluir
  24. Yes all you say it's true...
    Have a good day

    ResponderExcluir
  25. Com toda certeza Pedro, caso escolhesse a política, suas asas não teriam se quebrado, nem seriam cortadas, caso fossem, seria por pouco tempo...
    Excelente.
    Bom domingo pra você e Tais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lourdinha, Taís e eu também desejamos um bom domingo para você.
      Abraço.

      Excluir
  26. Pedro:
    Muito boa história. Se não fossem as idéias maravilhosas, todo mundo seria um excelente Presidente da Nação.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  27. Caro Amigo Blogueiro,
    gostei muito de sua forma de escrever e, além disso, da coerência que se percebe em sua forma de encarar o mundo e todas as situações atuais.
    Um abraço e minhas saudações cordiais

    ResponderExcluir
  28. Interesante post!!! Me encanta la pintura!!!!
    Buen fin de semana!!!!

    Besos, desde España, Marcela♥

    ResponderExcluir
  29. Excelente crónica ...el toque de ironía ameniza la lectura...
    Me gustó mucho Pedro.
    Cordial abrazo
    Cristina

    ResponderExcluir
  30. Es muy serio lo que acabo de leer. Los sueños irrealizables pueden conducirnos a la muerte pero, merece la pena, vivir sin tener sueños irrealizables. Son esos proyectos alocados los que han ido conduciendo a la humanidad a través de millones de años. Pobre de aquel que no esté siquiera un poco loco.

    Interesante. Saludos muy cordiales y afectuosos.

    ResponderExcluir
  31. Boa noite Pedro, mais uma das suas criações.
    Este personagem deveria incorporar um monte de politico que temos.
    Nestes tempos de caça desenfreada eles surgem de todos os cantos.
    Hoje vi um clip do ACM Neto num boteco de periferia bebendo cerveja num copo descartável e comendo calabresa fatiada com farinha.
    O que mais vamos ver?
    Ai eu lembro de Caetano Veloso: Triste Bahia...
    Um abração amigo e boa semana abençoada para voces.

    ResponderExcluir
  32. Muy interesante y buena historia.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  33. E seu amigo voou... na possibilidade de o poder fazer... de certa forma... mesmo despencando do alto... voou, na sua vontade de o fazer...
    Politico, não se submete a vontade... mas se submete à engrenagem de não fazer ninguém voar consigo... os voos dos políticos... são sempre solitários e egoístas... para altos cargos, onde desejam pousar convenientemente por muito tempo... seu amigo, quis voar, convidou os amigos para assistir... ele voou do seu jeito... e não prejudicou ninguém... ao contrário dos políticos... em seus voos estagnados... e poisados na ambição...
    Mais uma crónica, que tanto nos oferece para reflectir...
    Abraço!
    Ana

    ResponderExcluir
  34. Quizás fuese una forma de camuflar su suicidio. Hacerlo más "poético".

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO