>

1 de set de 2017

(Poesia) PEDRO LUSO – Esquecimento





   ESQUECIMENTO
     – PEDRO LUSO DE CARVALHO



No último porto deixei esquecidas
minhas lembranças.
Não sei de quem é o rosto
no espelho!
Na lúgubre caverna do tempo
ficou guardada
minha memória.
Se não sou visto nas ruas da cidade,
por onde ando,
é porque são invisíveis os fantasmas.




*   *   *




49 comentários:

  1. Adorei ;)!

    Beijo, bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde amigo!
    O esquecimento, preocupo-me com isso a idade é um inimigo. Mas exercitando mais a mente retarda. um tema difícil para um poesia mas importante.Lembranças que ficaram guardadas...
    Com desejo de muita paz, para que seu fim de semana seja abençoado, deixo esse lindo pensamento de Roupa Nova “A vida tem sons, que pra gente ouvir precisa aprender a começar de novo. É como tocar o mesmo violão e nele compor uma nova canção”.
    Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  3. Bah! Lindo, profundo! Adoro tuas poesias! abraços, chica e lindo fds!

    ResponderExcluir
  4. Debe ser espantoso, estimado Pedro, olvidar los recuerdos. Es uno de los máximos tesoros del ser humano.

    Saludos australes.

    ResponderExcluir
  5. Amigo passei para lhe desejar um mês de setembro feliz, com muita saúde e amor.
    Deixo esse pensamento de um autor desconhecido.

    “Setembro chegou, Mês da Primavera e Mês do Amor,
    Do Amor que brota com as Flores, das Flores que brotam o perfume.
    O cheiro e o perfume das Flores,brotam com a Primavera,
    É a estação mais bonita do ano, É a estação que a gente espera.
    Porque Ela perfuma a Alma, inspira Poetas e Escritores,
    Para criar belas poesias, para amigos e para os Amores.
    Amores que vem e que vão, Amores que inquieta o coração,
    Amores que trazem lembranças, Amores que causam Paixão.
    Quando chega a Primavera, de boas coisas me lembro,
    É a renovação da vida, que chega com o mês de Setembro”.

    Abraços da amiga Elza

    ResponderExcluir
  6. Nada mais triste do que uma mente sem recordações.
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Querido amigo, visitando suas páginas longamente, percebo sombras e angústias em seus lindos poemas. São belas as metáforas, mas desejo de todo coração que elas sejam apenas o resultado de "inspiração fictícia", Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Boa noite Pedro!
    Linda a sua poesia, adorei!
    Parabéns. Feliz Domingo, e uma ótima semana.
    Um fraterno abraço, amigo em Cristo.
    Josélia.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Pedro, muito assustadora situação, de fato, não corresponder a nossa imagem que de nós guardamos, síntese de todas a idades pelas quais passamos, no espelho imparcial é quase natural, mas não ser reconhecido como pessoa que somos e vivemos além de nossas lembranças e aquém de nossa possibilidade de sonhar , aí nada mais nos resta...seremos fantasmas de nós mesmos.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  10. Lindo e forte poema, que nos leva à reflexão sobre nossa passagem por aqui. Na verdade, com o passar do tempo, e de um tempo não tão longo, o que ficam são nossas memórias. Essas não têm rosto; parecem que ficam sempre jovens, um contraponto com nossa real imagem que o tempo vai esculpindo, mas não muito generoso...
    Beijinho, Pedro!

    ResponderExcluir
  11. Spesso basta poco per riportare alla memoria momenti del passato.
    Ciao felice weekend.
    enrico

    ResponderExcluir
  12. Pedro querido, bom dia.
    Linda essa sua postagem.
    Amo poesia bem escrita.
    Quando esteve la no Espelhando
    citou algo sobre meu nome.
    Sou Catiaho Alcantara ( a pronuncia
    é Catiarrô) e na verdade é uma combinação
    para ser usada na minha profissão de Editora
    e Assessora Editorial.
    Grata por estar sempre
    presente no Espelhando.
    Feliz fim de semana.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  13. Ricordi che riaffiorano sfumati, nella vita che fa il suo gioco!
    Sempre bello leggerti, un caro saluto,silvia

    ResponderExcluir
  14. Inmenso y lindo poema.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  15. Bonitas palabras, que pases un feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  16. Pedro, un poema muy original, para ponernos a pensar en la vida, el tiempo, la memoria.
    Fuerte abrazo.

    ResponderExcluir
  17. Querido amigo poeta Pedro, teus versos nos levam a sentir a nostalgia do tempo passando e as lembranças para trás ficando!
    Ah, como seria bom poder trazer tudo e reviver!
    Mas não, tem hora que, se ficar pensando muito nos pomos a sofrer!
    Lindos versos, linda poesia, a vida em si já é poesia, só sente quem é poeta, quem percebe e sente!
    Abraços bem apertados com meus parabéns por sua sensibilidade!

    ResponderExcluir
  18. También yo regreso de nuevo a leerte, querido amigo,Pedro.
    Magnífico poema que refleja muy bien ese interior tuyo y tus recuerdos.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  19. Belíssimo poema, Pedro.
    A vida é transformação. As memórias estão difusas, mas ainda sim, fazem parte de nós.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Oi Pedro,
    Belíssimo poema
    Eu preciso ficar invisível para não sofrer
    Eu sou mineira e não deixo a batata assar.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  21. A poesia é o canto soberbo do homem e são seus cantos sempre memórias.

    ResponderExcluir
  22. Hoje estou passando somente para matar
    essa saudade tão doida dos ultimos tempos.
    E comigo veio uma frase do querido padre
    Fabio de Melo...
    Se pela força da distância você se ausenta,
    pela força que há na saudade você voltará...
    Um carinhoso abraço beijos.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  23. Amigo, minha visita hoje é para desejar-lhe uma noite de paz e um amanhecer para um início de semana com saúde e felicidade.
    Abraços

    ResponderExcluir
  24. Esta semana tive uma brincadeira com a palavra intervalo e lendo sua poesia de reflexão vejo quanto temos de mutações neste intervalo em que muitas vezes nãos abemos se somos ou fomos e a invisibilidade é certa.
    Feliz semana poeta
    Abraço terno amigo.

    ResponderExcluir
  25. ... ainda não consigo deixar nada "no último porto".
    Mas um dia desses eu consigo...
    Um grande abraço, amigo de poesia.
    Muito obrigada pelo carinho
    Lola

    ResponderExcluir
  26. Por vezes, com poucas palavras conseguimos dizer muito!
    Belo poema estimado amigo!
    Abraço e boa semana

    ResponderExcluir
  27. Meu amigo espero sinceramente que o a minha memória se mantenha comigo até ao meu final, é tão triste quando ela decide ir embora antes do tempo, eu sei, pois vi isso acontecer com o meu pai.
    Nostálgico e belo poema.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  28. Linda pintura e lindo poema !
    Sabe Pedro, se as recordações não forem boas, é bom mesmo esquecer para não sofrer.
    abraços

    ResponderExcluir
  29. De que ausência se vestem os desejos na dimensão impossível da lembrança?...
    Um poema onde as palavras convidam ao silêncio.
    Um beijo, meu Amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  30. As memórias... podem ser fantasmas do tempo... mas serão nossas companheiras para toda uma vida... as boas... e as más...
    Pelo que ainda não cheguei a uma conclusão... se é bom esquecer... ou se é bom lembrar...
    Um excelente poema... que nos deixa a pensar...
    Um grande abraço! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  31. MUY BONITOS TUS VERSOS ...YO NO LO HABLO PERO LO ENTIENDO MUY BIEN...GRACIAS POR TU VISITA , ESTOS DÍAS NO ESTOY MUY BIEN EN CUANTO ME REPONGA PUBLICARE "LOS ZINGAROS"...
    UN ABRAZO

    ResponderExcluir
  32. Belíssimas figuras: "Se não sou visto nas ruas da cidade, por onde ando, é porque são invisíveis os fantasmas." - "Na lúgubre caverna do tempo ficou guardada minha memória." Amigo, cada vez estás te aprimorando mais. Parabéns, Pedro! Grande abraço. Bom feriadão. Laerte.

    ResponderExcluir
  33. OI PEDRO!
    POEMA DENSO EM SUA BELEZA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  34. Belo poema meu amigo e as memórias fazem parte da nossa história quando as perdemos é sinal que a viagem está a acabar.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  35. Me gustó el poema, especialmente, el verso final, ...se debe a que los fantasma son invisibles.
    Cariños.

    ResponderExcluir
  36. Bellisimaaa.
    Besitos buena semana

    ResponderExcluir
  37. Gostei muito dos seus trabalhos! Parabéns!
    Foi um prazer ter conhecido este espaço!
    Estaremos sempre por aqui!
    Abraços da Cia. De Teatro Atemporal!

    Clemente.
    Blog: ciaatemporal.blogspot.com.br
    Facebook: Facebook.com/CiaAtemporal

    ResponderExcluir
  38. Il tempo muta volti e ricordi nella memoria...tutto diventa sfocato e nulla riesce più a fare male o a farci felici...Bellissima, complimenti!

    ResponderExcluir
  39. Lembrar é viver, mas esquecer, muitas vezes, é de um bem enorme!
    Bonito, forte e denso poema...
    Bom feriado... Abç

    ResponderExcluir
  40. A vida é como um rio que vai correndo no seu leito, sempre com um barquinho pronto para que nele entremos; entramos sempre embora saibamos que a viagem não vai ser igual; não é igual a viagem, o barco também não e nem tão pouco nós. O que ficou para trás estará diferente de certeza quando retornarmos ao porto da partida . Dessa viagem trouxemos instantes vividos, alguns com alegria, outros nem tanto, tendo sido até muitos deles dolorosos. Se a vida quiser, pois é ela que decide, quando o dia raiar o barquinho lá estará ptonto para nos levará de novo na correnteza e nele terão de caber aqueles instantes que captamos na viagem anterior, pois não podemos seguir sem eles; fazem parte de nós, construiram um novo personagem que temos obrigatoriamente de incorporar, mesmo que tenhamos vontade de jogar à àgua alguns daqueles instantes que nunca mais queremos lembrar. Não sei se seremos capazes, Pedro! Olhamo-nos no espelho e vemos um rosto que não parece o nosso, um rosto que por vezes sorri quando estampado nele vemos um ou varios instantes felizes, outras vezes uma lágrima escorre nesse rosto que triste chora por não ter conseguido jogar água abaixo aquele outro instante doloroso. Não adianta fugir do espelho, não interessa " puxar " pela memória tentando lembrar ou procurando esquecer. Importa sim pedir à viada que,amanhã, não se esqueça de pôr à nossa porta aquele barquinho colorido para de novo fazermos a nossa viagem. Lindo, Pedro!
    Beijinhos e tudo de bom!
    Emilia


    lind

    ResponderExcluir
  41. Corrigindo ....pronto para nos levar
    pedir à vida

    Desculpa Pedro se tiver mais algum. Beijinho
    Emilia
    Emilia

    ResponderExcluir
  42. Eso pasa cuando los poetas visitan los puertos ;-)

    ResponderExcluir
  43. ¡Hermoso!
    A sido un placer leer tu poema.

    Saludos.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  44. Olá, Pedro.
    Tantas vezes o rosto refletido no espelho não pertence a quem o vê.
    Tantas vezes a criatura é fantasma, a vida é um não sei o quê da sobrevivência.
    Bonito e tão real.
    * Obrigada pelo pelas palavras de apreço lá "do lado do sol".
    abç amg/

    ResponderExcluir
  45. Olá Pedro,
    Um poema curto, enxuto e nostálgico com lindas imagens poéticas.
    Muito obrigada pelas gentis palavras alusivas à minha pessoa, deixadas lá m meu blog.
    Feliz fim de semana.
    Abraços!

    ResponderExcluir

  46. Pedro Luso, boa filosofia poética. Na verdade, o homem muitas vezes passará em jeito de fantasma.
    Abraço

    ResponderExcluir
  47. Bom dia Pedro.
    Um poema belíssimo , com uma linda imagem,mostrando a força das ondas na mar. Um feliz dia. Abraços.

    ResponderExcluir
  48. Bom poema, Pedro.
    Vivemos no fio do gume no exercício paradoxal da lembrança e do esquecimento.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  49. Boa Tarde!!!
    Belíssimo poema. Nos convida a pensarmos nos objetivos do nosso existir. A forma como olhamos o mundo determina o nosso caminhar.
    Paz e Luz!!!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO